segunda-feira, 27 de outubro de 2014

[ESPECIAL DE HALLOWEEN] Dark House



Olá, bruxinhas e fantasmas! Estão prontos pra mais uma resenha sobrenatural? Ou melhor, estão preparados para entrarem no farol?

Nome: Dark House
Título Original: Dark House
Autora: Karina Halle
Série: Experimente o Terror
Editora: Única
Livro: Skoob
Sinopse:
Há sempre algo fora do normal em Perry Palomina. Embora ela esteja vivendo uma crise ao passar pela síndrome pós-faculdade, assim como qualquer garota de vinte e poucos anos, ela não é o que chamaríamos de comum. Perry possui um passado que prefere ignorar, e há também o fato de que ela consegue ver fantasmas. Tudo isso vem a calhar quando se depara com Dex Foray, um excêntrico produtor que está trabalhando em um webcast sobre caçadores de fantasmas. Dex, que se revela um enigma enlouquecedor, arrasta Perry para um mundo que a seduz e ameaça sua vida. O farol de seu tio é pano de fundo de um mistério terrível, que ameaça a sanidade da moça e faz com que ela se apaixone por um homem que, como o mais perigoso dos fantasmas, pode não ser o que parece.


Não sei explicar o que senti ao experimentar o terror, mas posso dizer que talvez eu tenha acabado ficando presa no farol.

Antes de tudo, que capa é essa??? Maravilhosa! E vem junto o marcador do livro pra destacar. Editora Única ta de parabéns, fez um trabalho excelente!

Suspirei, insegura do que dizer. Era um daqueles momentos em que eu sabia que minhas ações iam determinar um novo rumo na minha vida, outra estrada para seguir.


Perry é uma mulher de vinte e dois anos que não tem grandes objetivos na vida. Foi um sufoco se decidir qual profissão seguir, e assim que resolveu enfrentar publicidade, percebeu que tinha cometido um grande erro. Ainda mais quando acabou sendo tudo menos uma publicitária. Ela trabalhava como recepcionista numa empresa e, definitivamente, odiava seu emprego por completo. Fora isso? Bom... Ela tinha pais bem normais, uma irmã chamada Ada de quinze anos que era vidrada em moda e que tinha um blog direcionado ao tema, e uma vida amorosa bem decepcionante. Essa era a vida de Perry, e sim, ela ficava bem chateada com isso.

No começo do livro, eu não sabia se simpatizava com Perry, ou se a vontade de sacudi-la era maior. Isso fez com que eu desse uma leve pausa de uns dois dias na leitura, e quando voltei... Bom, digamos que retornei ao livro de noite, e terminei no mesmo dia. E não, o livro não é curto. A minha curiosidade que foi gigantesca. E a história que instigou profundamente isso.

Num final de semana, Perry vai com sua família visitar seu tio que mora com seus filhos gêmeos em uma propriedade que contém um farol. Ela sempre teve vontade de explorá-lo, mas nunca havia tido coragem, e uma certa noite na fogueira fez com que ela decidisse ir atrás do perigo, e descobrir porque aquele farol a atraia tanto, mesmo sabendo que era uma péssima ideia.

Lá, ela ouve passos, sendo que ninguém costuma entrar naquele lugar – além de estar lacrado, e ela ter tido que quebrar a janela. Entrando em desespero e já achando que ia ser estuprada, ela tentou sair, mas acabou se deparando com um homem chamado Dex. Eles então acabam por investigar o farol juntos, em meio ao medo e loucura, a aventura toda que foi registrada pela câmera dos dois acaba caindo na internet e chamando a atenção de milhares de pessoas, completamente curiosas e ansiosas pra saber o que acontecia depois.

Os pelos na minha nuca se arrepiaram com uma precisão gelada. Eu sabia que havia algo esperando do outro lado da porta, escutando.
(...)
A porta rangeu, abrindo-se lentamente. Eu esperava ver a qualquer momento uma figura alta e negra na porta, vindo na minha direção e me sufocando com seu rosto nebuloso.


Ufa, que difícil fazer um resumo disso! Resumo, porque só contei o que acontece nas primeiras páginas (sem citar a montanha de emoções pela qual passamos junto dos personagens naquele farol), e ainda assim bem por cima pra não estragar a graça. Existem sim muitos detalhes além desses que dão um ar misterioso e até mesmo duvidoso pra aquele encontro. Queria muuuito contar mais um pouco da jornada deles (tá difícil de controlar os dedos aqui, juro pra vocês), mas isso realmente já entregaria grande parte da premissa. Deles, só posso contar uma coisa. Nem de longe a relação de Perry e Dex com aquele farol acabou. Na verdade, aquilo tudo tem um significado muito maior. Um ter achado o outro.
No entanto, apesar de não poder me aprofundar muito no casal (eu falei casal? pff, ele tem namorada!), eu posso falar do farol. Dex foi acabar parando lá por ser cinegrafista e estar atrás de uma história de terror pra sua nova webcast. E eis então que o farol tem uma história pra lá de maligna que o circula há tempos, mesmo antes de o tio de Perry comprar aquele terreno. Dizem que o Velho Roddy, o faroleiro, assombra o farol. Será mesmo?

Tenho certeza de que minha resenha não transmite nem 1% do medo que o livro traz. Quer dizer, não é um livro que te dá pesadelos – na verdade, fui dormir com um sorriso no rosto e quase abraçada no livro, mas isso sou eu né. Ele tem cenas de terror na proporção certa – nada muito exagerado que te faça fechar o livro por não aguentar mais. Na verdade, é bem o contrário. A história inteira é tão envolvente que você simplesmente não consegue nem piscar ate chegar à última página. A escrita da autora torna a leitura rápida e extremamente agradável, nada pesado cheio de palavras complexas que você nunca ouviu falar na vida só pra tornar mais tensa as situações. Com singelas palavras, como um simples BLAM, ela consegue nos fazer pular de susto e querer empurrar os dois escada abaixo e pra fora não só do farol, mas como daquela cidade. Ou de empurrá-los em direção ao terror, vai saber né.

Quanto aos personagens, eu tive uma relação bem difícil com os dois. O Dex é... bem complicado. Uma hora ele é carinhoso, extremamente preocupado e gentil. Outra hora ele é sarcástico, mau humorado e carrancudo. E na outra ele é sedutor, cheio de sorrisos de matar. Isso quando ele não resolve ser tudo isso de uma vez só. Em certas partes ele era estonteantemente encantador, e em outras eu realmente acabava o odiando, e sentindo uma pena enorme da Perry. Mesmo assim, a autora fez uma interação entre eles que me surpreendeu. O amor de Perry é claro desde o princípio, mas o Dex... Ah, já falei que esse homem é complicado? E apesar disso, ela não montou um romance adolescente, onde eles ficam nesse vai-nã-vai. Toda a desenvoltura é montada com calma, compreensão, e vamos conhecendo Perry e Dex na mesma intensidade que um ao outro. A revelação de segredos, do passado, de sonhos, de diversos detalhes interligados.

- Sinto muito por ter estragado seu programa, Dex - eu disse com humildade.
Ele olhou para o chão por um segundo, e balançou a cabeça.
- Você não deveria se desculpar, não combina muito com você. - Ele levantou o olhar. - Além do mais, não é meu programa. É nosso. Nem tudo está perdido ainda, mocinha.


Então LEIAM O LIVRO! Eu queria poder explicar tudo que senti durante as reviravoltas (sendo que tudo acontece em pouquíssimos dias), mas é quase impossível. O terror e o romance foram medidos na proporção certa, exatamente do jeito que eu amo. E aposto que você será fisgado pela luz desse farol também.

Nota: 5



Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário