quarta-feira, 17 de agosto de 2016

10 dicas para curtir a Bienal sem surtar (pelo menos não muito)

Oie, dragonites! Tudo bom com vocês?

2016 é ano de Bienal do Livro em São Paulo e resolvi dar uns conselhos de amiga pros marinheiros de primeira viagem e também pros velhos companheiros de Bienal porque aprendizado é bom e no fim, mesmo depois de anos comparecendo ao evento, a gente nunca cumpre a lista de verdade.

Eu e a Leeh já fomos 2 vezes na Bienal de SP. Uma em 2012 e outra em 2014. As duas experiências foram boas, mas em ambas eu acabei exausta e estressada. Infelizmente, muito provavelmente não iremos esse ano (mimi), mas quero muito que todos vocês se divirtam a beça.



1. Programe-se. Antes de tudo, monte um roteiro. Muitas atrações acontecem ao mesmo tempo e é bom você destacar de quais quer participar e o horário para não perder. Essas informações estão disponíveis no site e, se não me engano, no evento eles distribuem papéis com a programação também. Mas nada como ter o seu papelzinho organizado.

2. Não leve mochila grande. Isso pesa, galera, e atrapalha o caminho dos outros. Pessoas que vieram de longe e vão ficar somente naquele dia precisam ter onde guardar seus pertences, é claro, mas eu recomendo muito levar apenas o essencial. Em 2012 eu levei uma sacola da Novo Conceito e enfiei todos os livros que comprei lá. Foi uma quantidade até que mediana e quando cheguei em casa meus ombros e coluna estavam destruídos. Naquela época as editoras distribuíam bastante seu material e acabei atolada de sacolas com brindes que também pesavam.

3. Leve água e lanchinhos. O evento acontece num lugar enorme e lotado de gente, então você vai soar bicas. A fila de bebedouros e banheiros são extremamente longas e você vai precisar de muita paciência pra passar no mínimo meia hora esperando. O horário de almoço é um formigueiro. Se você levar lanche tipo algumas bolachas pra mascarar a fome vai ajudar muito a economizar dinheiro e tempo. A comida não é uma das melhores, já preparo vocês, e lugar pra sentar é pior ainda, você se sente literalmente nos Jogos Vorazes. E sem dúvidas os restaurantes estilo Burguer King são os mais disputados. Mas se a sorte não estiver ao seu favor, vai passar um tempinho sentado no chão comendo ou desmaiado de cansaço mesmo. Só não leve uma garrafa de 2 litros de coca-cola na mochila, por favor. Eu quase tive um filho quando alguém que conheço aprontou dessa.

4. Vá confortável. Nada de salto ou roupas quentes. O lugar vira um forno em segundos, então se possível, vá com alguma roupa leve e traga um casaco na bolsa. Inclusive, cosplays são bem-vindos! Eu nunca vi muitos cosplays pela bienal e, quando vi, estavam fantasiados de forma bem discreta, mas é super legal e com certeza válido!

5. Tente ir em dias calmos. Isso pode não ser uma opção, claro, mas os dias de semana geralmente são tranquilos e espaçosos (sério, você vai se sentir claustrofóbico no meio da muvuca). Nos fins de semana têm de tudo o que você pode imaginar. Filas gigantescas, gente pra todo lado, cotoveladas, gente correndo e te atropelando, mães com bebês no carrinho. Acho que tô sendo sombria, né? Deve ser porque minha estatura baixa colabora pros esbarrões e tudo mais.

6. Não desgrude do coleguinha. Cole nele como se vocês fossem gêmeos siameses. Seja a mãe, pai, amigo, namorado; não o deixe escapar. É mais fácil se perder lá dentro do que piscar os olhos. E o sinal de celular: PÉSSIMO. Em 2014, aprontei de convidar 3 amigas e elas vieram com seus respectivos amigos. Será que cada um foi pra um lado e eu fiquei correndo pelos corredores feito cega em tiroteio pra alcançar um e outro e no fim me perder de novo?

7. Converse. A Bienal é o melhor lugar para fazer novas amizades e discutir sobre aquele livro que você ama. Se você souber de algum encontro de blogueiros rolando, vá, você não vai se arrepender! Fui em uma troca de livros que um grupinho organizou e foi bem legal, apesar de eu nem lembrar qual livro peguei.

8. Vá em todas as atrações que conseguir. A arena cultural conta com bate-papo com os autores e é legal de assistir caso você não tenha conseguido falar com ele pessoalmente. A gritaria atrapalha um pouco, mas enfim. Não sei se terá esse ano, mas em 2012 houveram alguns eventos pequenos em salas reservadas destinado à determinadas séries. Por exemplo, fui em uma onde o assunto era Percy Jackson. Nós sentamos, ganhamos alguns brindes relacionados à série e então escutamos o apresentador falar sobre mitologia grega. Massa, né? Espero que esse ano também tenha!

9. Conheça seus autores favoritos. Essa é a melhor parte da bienal e você não pode desperdiçar essa chance, mas com modos, né? É de costume haver uma distribuição de senhas para autores mais famosos, principalmente os internacionais, mas a parte ruim é que são poucas senhas pra muito fã em desespero. 2014 foi a pior experiência que tive graças a isso. No dia em que fui, justamente a Kiera Cass e a Cassandra Clare, que eu queria muito muito ver, estavam lá. Até pra entrar no evento estava enlouquecedor de tamanha desorganização. Nem mesmo os que chegaram bem cedo conseguiram as senhas. Ouvi boatos até de agressão pelo término dessas senhas. Uma vergonha, né? Em 2012 tive o prazer de conhecer alguns autores como o Pedro Guerra, o Estevão Ribeiro e a Carina Rissi que na época não era tão conhecida e ainda pertencia à outra editora. Não tinha fila alguma no estande dela! E fico tão feliz em ver como ela cresceu no mercado editorial <3. Em 2014 a única autora que fui atrás e me recebeu com muito carinho foi a FML Pepper. Um amor de pessoa!





























Pedro Guerra, autor de A Rainha Morta e Você pode guardar um segredo?





























Estevão Ribeiro, autor de A Corrente e das tirinhas Os Passarinhos

Carina Rissi, autora de Perdida e Procura-se um marido

FML Pepper, autora da trilogia Não Pare!

10. PESQUISE OS PREÇOS! Se têm uma coisa que me arrependo é de ter chegado à Bienal só com a cara e a coragem, sem ideia da facada que levaria. Os livros são caros, sim, principalmente os de editoras grandes. Por isso, pesquisem antes na internet qual o valor e o quanto estão dispostos a pagar. Em 2012 eu gastei uma grana preta e quando vi os preços bem abaixo do que paguei na internet, tive vontade de chorar. Em 2014 me controlei e só comprei os que eu estava loucamente desejando. Encontrei livros em ÓTIMAS promoções na editora Única e Intrínseca. Paguei 10 reais em livros grandes e espetaculares. Vale a pena sim esperar na fila da Intrínseca. Os títulos que eles colocam por preço baixo não são lançamentos, mas são conhecidos e muito prestigiados. 

E a dica mais importante: SE DIVIRTA! Sério. Para nós, leitores, a Bienal é o paraíso. Não deixe coisas bobas ou a multidão te estressar. Faz parte, mas lembre que em primeiro lugar está a sua satisfação. É uma experiência maravilhosa que futuramente você vai lembrar com muito carinho. Você vai cansar, se jogar no chão e desistir dessa vida de Audácia, mas vai voltar pra casa com um baita sorrisão no rosto.

E aí, gostaram das dicas? Para quem já foi, concordam comigo? E quem pretende ir, em que dias vão? Me contem tutoooo o/

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 21 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário