quinta-feira, 26 de maio de 2016

O Oráculo Oculto

Título: O Oráculo Oculto
Título Original: The Hidden Oracle
Autor: Rick Riordan
Série: As Provações de Apolo - #1
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
Páginas: 320
Livro: Skoob
Sinopse:
Como você pune um deus imortal? Transformando-o em humano, claro! Depois de despertar a fúria de Zeus por causa da guerra com Gaia, Apolo é expulso do Olimpo e vai parar na Terra, mais precisamente em uma caçamba de lixo em um beco sujo de Nova York. Fraco e desorientado, ele agora é Lester Papadopoulos, um adolescente mortal com cabelo encaracolado, espinhas e sem abdome tanquinho. Sem seus poderes, a divindade de quatro mil anos terá que descobrir como sobreviver no mundo moderno e o que fazer para cair novamente nas graças de Zeus. O problema é que isso não vai ser tão fácil. Apolo tem inimigos para todos os gostos: deuses, monstros e até mortais. Com a ajuda de Meg McCaffrey, uma semideusa sem-teto e maltrapilha, e Percy Jackson, ele chega ao Acampamento Meio-Sangue em busca de ajuda, mas acaba se deparando com ainda mais problemas. Vários semideuses estão desaparecidos e o Oráculo de Delfos, a fonte de profecias, está na mais completa escuridão. Agora, o ex-deus terá que solucionar esses mistérios, recuperar o oráculo e, mais importante, voltar a ser o imortal belo e gracioso que todos amam.
O Oráculo Oculto é o primeiro livro de mais uma série do nosso querido Tio Rick, mais uma série da linha PJO. Digo isso porque tivemos PJO, seguido de HdO e, na ordem cronológica, as Provações de Apolo vem logo em seguida - portanto, a coisa fica bem mais legal quando você leu as outras duas séries!

Sendo assim, comecemos.

Após a guerra com Gaia, Zeus expulsou o deus Apolo do Olimpo, o transformando em um humano mortal por tempo indeterminado. E, apesar de estranho, isso já acontecera outras vezes - todas em que o deus tinha que, basicamente, aprender alguma lição até que pudesse ter seus poderes de volta.

Assim, quando acorda, após negar bastante a situação em que se encontra, Apolo põe em sua cabeça que é só uma questão de tempo até Zeus devolver seus poderes, que é só ele fazer uma coisinha aqui e outra ali, viver no mundo mortal um pouco mais e logo voltará a sua plenitude divina. Porém, as coisas não funcionaram bem como ele planejava...

- Por favor, pai, aprendi a lição. Por favor, não posso fazer isso!
Zeus não respondeu. Devia estar ocupado demais gravando minha humilhação para postar no Snapchat.

Apolo, preso em um corpo humano de 16 anos de idade, se vê humilhado por valentões e salvo por uma garotinha de 12 anos, Meg McCaffrey, uma semi-deusa de poderes (obscuros? diferentes? interessantes?) que se torna sua "mestra", ou seja, Apolo está preso à ela e deve obedecer às ordens da garota enquanto as aventuras começam.

Juntos e presos pelo destino (ou por Zeus), Apolo vai buscar ajuda para que eles possam chegar ao Acampamento Meio-Sangue a salvo. E, claro, ele vai pedir ajuda pra quem? Percy Jackson! Porém, nem tudo são flores. No Acampamento, coisas estranhas andam acontecendo; semi-deuses estão desaparecendo da noite para o dia, algo parece errado com o bosque e, para completar, o Oráculo não está funcionando e ninguém sabe exatamente o porquê.

- Apolo quer dizer que não podemos fazer uma missão sem profecia, e não podemos ter profecia sem oráculo.

Amei as aparições de Percy. Ele foi realmente um personagem secundário no livro, aparecendo o suficiente para que matássemos a saudade.

O desenvolvimento de Apolo durante o livro foi uma coisa que eu gostei muito, afinal, ele é um deus narcisista que caiu na Terra num corpo de 16 anos, sem poder algum e ainda sendo humilhado por valentões. A reação dele de início é bem infantil, e apesar de eu ter visto reclamações sobre isso, achei bem pertinente. Apolo nega sua situação até o ponto que não pode mais, quando simplesmente enfia na cabeça que tudo vai acabar logo e tenta levar tudo com a barriga, sem levar a sério as coisas que acontecem ao seu redor, apenas pensando que se fizer X ou Y Zeus pode devolver seus poderes.

O relacionamento de Apolo com Meg foi outra coisa que gostei muito. Ela é uma personagem forte, apesar da idade, e não o trata como se ele fosse um ex-deus ou coisa do tipo, o que é um belo balde de água fria no ego dele.

Eu não me sentia um floco de neve especial (embora minha mãe, Leto, sempre dissesse que eu era) e fiquei dolorosamente tentado a acusar Sherman de não me tratar como tal.

Os personagens secundários também foram maravilhosos. Tio Rick, pra variar, abrange assuntos como homossexualismo da forma como deveria ser tratado: naturalmente. Principalmente porque Will e Nico estão no Acampamento e a situação é no mínimo estranha: imagine seu pai na sua frente com a sua idade?

O livro é cheio de cenas que nos deixam aflitos, tensos, algumas vezes até chorosos, mas sempre cheio de piadas que nos fazem rir e deixam todos ao redor com cara de "que essa louca tá rindo pro livro?". Até mesmo um brasileiro aparece, e como the zueira never ends, as cenas com o lenço do Brasil foram demais pro meu coração.

Entendam: a escrita do Tio Rick é essa e pronto. De todos os livros dele, o mais sério foi Tequila Vermelha e, pra mim, a marca registrada dele é essa aqui. Narração em primeira pessoa, o foco em adolescentes, uma linguagem fácil e gostosa, cenas engraçadas que nos ensinam e ajudam a descontrair a tensão.

Existe, claro, sempre aqueles que não irão gostar de deuses da mitologia sendo tratados assim, mas quem leu qualquer outro livro dele de mitologia, sabe como é, e não verá nada diferente aqui. Pra mim, Apolo é um leonino com sol, lua, asc e todos os outros planetas em Leão. Sério. Nunca vi tanto ego na minha vida, e achei isso DEMAIS. hehe

Respirei fundo. Em seguida, fiz meu discurso motivacional de sempre para o espelho.
-Você é lindo e as pessoas te amam.

Como sabemos que o tio Rick é nostálgico (pra nossa alegria), muitos dos personagens de PJO e HdO aparecem nesse livro, e pelo que tudo indica, vão ter papeis importantes nos próximos volumes pra que as provações de Apolo tenham sucesso. Outro ponto alto é o afeto de Apolo por seus filhos. Em sua forma humana, Apolo fica mais sentimental e isso o permite se aproximar dos filhos e admirá-los. E se gabar um pouquinho dos dons que eles herdaram, é claro.

Sem o oráculo, sentimos aquela falta básica de uma profecia para os nossos heróis seguirem. E para piorar, mais de um oráculo na posse de Apolo para de funcionar. Ele facilmente poderia mandar semideuses para resolver seu problema, mas aí que tá. Era o seu problema, e agora cabia a Apolo resolver a situação. Será que ele vai conseguir?

Em meio de muita aventura, conflitos, apreensão e diversão, nós acompanhamos a missão de Apolo e Meg, e terminamos com aquele gostinho de quero mais. O Oráculo Oculto é um livro delicioso, rápido de ler, e perfeito para matar saudade dos nossos olimpianos. Mais uma série do tio Rick que promete ser maravilhosa!

Nota: 5

Sobre mim: Letícia Proença (Leeh), estudante de Medicina Veterinária na UNESP, até hoje não sabe como leva a graduação e a paixão por sites e livros lado a lado. Canceriana louca, gostaria de saber como aumentar as horas do dia para poder fazer tudo o que gosta.

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 21 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário