segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Primeiro Amor

Nome: Primeiro Amor
Título Original: First Love
Autores: James Patterson e Emily Raymond
Editora: Novo Conceito
Livro: Skoob
Sinopse:
Axi Moore é uma garota certinha, estudiosa, bem comportada e boa filha. Mas o que ela mais quer é fugir de tudo isso e deixar para trás as lembranças tristes de um lar despedaçado. A única pessoa em quem ela pode confiar é seu melhor amigo, Robinson. Ele é também o grande amor de sua vida, só que ainda não sabe disso. Quando Axi convida Robinson para fazer uma viagem pelo país, está quebrando as regras pela primeira vez. Uma jornada que parecia prometer apenas diversão e cumplicidade aos poucos transforma a vida dos dois jovens para sempre. De aventureiros, eles se tornam fugitivos. De amigos, se tornam namorados. Cada um deles, em silêncio, sabe que sua primeira viagem pode ser também a última, e Axi precisa aceitar que de certas coisas, como do destino, não há como fugir. Comovente e baseado na própria vida do autor, este livro mostra que, por mais puro e inocente que seja, o primeiro amor pode mudar o resto de nossas vidas.

Sabe aqueles livros que você gosta no lançamento, mas depois acaba esquecendo da existência dele? Pois então, essa foi a minha relação com Primeiro amor, até que li resenha dele em um dos blogs parceiros, e minha curiosidade voltou tão forte quanto quando li a respeito pela primeira vez. Então, na mesma noite, eu peguei o livro pra ler, e o resultado é que não consegui largá-lo até que tivesse terminado, lá pela madrugada.

Axi Moore é daquelas alunas que se dedicam ao máximo aos estudos, até que ela percebe o quanto está perdendo em não aproveitar tudo o que a vida tem a lhe oferecer, e resolve fugir de casa pra explorar o mundo. Mas logicamente, esse plano todo não funcionaria sem a companhia de seu melhor amigo, Robinson, que a princípio dá risada e não consegue acreditar que ela realmente quer se arriscar a fazer isso, mas acaba topando e torna aquela viagem tanto dela, quanto dele. E juntos, eles seguem a rota que Axi montou, incluindo outros lugares no caminho, e até mesmo certas eventualidades, como roubar carros e motos ao invés de simplesmente irem de ônibus.

— Axi — Robinson começou, com a voz mais suave. — Se esta viagem for um erro, será o melhor erro de nossas vidas.


Basicamente, a história se foca em toda a viagem e aventura de Axi e Robinson. No começo eu fiquei um pouco incomodada, porque não é dado uma introdução a respeito dos personagens, algo que tem na maioria dos livros, mas justamente esse detalhe fez toda a diferença, porque quando afinal descobrimos como eles se conheceram, e os fatores que os levaram a partir naquela loucura, tudo passa a fazer sentido.

Eu não tenho palavras pra dizer como amei esse livro. Os personagens são tão cativantes, alegres, divertidos, que dá uma vontade enorme de guardá-los no bolso, ou então desejar que eles fossem reais pra ser nossos amigos também, haha. Embora Axi seja mais “certinha”, não é como se ela fosse careta (por mais que Robinson a chame assim), e sem mesmo que ela perceba, Robinson a influencia tanto que ela acaba se tornando quase outra pessoa na questão de se arriscar e aproveitar o momento. A história é contada pelo seu ponto de vista, e a escrita leve e envolvente fez com que o tempo passasse extremamente rápido. Robinson, então, é completamente apaixonante. E aliás, esse é um fator que deixa os personagens nos encantar cada vez mais. Eles tem suas próprias características, seu modo de agir e falar, assim como Axi vive recitando frases de livros que Robinson não entende nada, e ele divagando sobre sua paixão por carros, e cantando o tempo inteiro. E o amor entre eles é tão puro, tão singelo, que a gente realmente torce pra que fiquem logo juntos. E eu não sei vocês, mas assim.. Por mais que eu tente negar, meu gênero favorito de livro é mesmo romance, só que quando o casal finalmente se resolve e começa toda aquela melação, eu me irrito e corro pra terminar logo, mas nesse em especial, isso passou longe de acontecer! Talvez pela relação deles sempre ter sido mais amizade do que outra coisa, eles mantinham as brincadeiras, enchiam um ao outro, e não perdia a graça.

Eu estava praticamente desnorteada. Então essa é a sensação de ficar intoxicada. Mas não era da bebida. Estou aqui para dizer que o moonshine não chega nem perto do amor — e do desejo.


Mas já vou adiantando: Essa história parece bem com um livro famoso. Não vou contar qual, porque seria a carta final pra saber tudo o que acontece depois, mas me lembrou bem, embora eu tenha gostado bem mais desse livro aqui. Ah, gente, é lindo e fofo e divertido demais! Talvez a capa ou a sinopse não chamem muita atenção, pode parecer clichê, mas é uma história e tanto, você não tem como não acabar se envolvendo e se sentir vivendo a mesma aventura! Eu mesma, que sou boba e mal saio de casa, acabei indo parar em diversos estados de outro país, haha.

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário