sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Um Amor para Recordar

Nome: Um Amor para Recordar
Título Original: A Walk to Remember
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Livro: Skoob | Orelha de Livro
Sinopse:
“Cada mês de abril, quando o vento sopra do mar e se mistura com o perfume de violetas, Landon Carter recorda seu último ano na High Beaufort. Isso era 1958, e Landon já tinha namorado uma ou duas meninas. Ele sempre jurou que já tinha se apaixonado antes. Certamente a última pessoa na cidade que pensava em se apaixonar era Jamie Sullivan, a filha do pastor da Igreja Batista da cidade. A menina quieta que carregava sempre uma Bíblia com seus materiais escolares. Jamie parecia contente em viver num mundo diferente dos outros adolescentes. Ela cuidava de seu pai viúvo, salvava os animais machucados, e auxiliava o orfanato local. Nenhum menino havia a convidado para sair. Nem Landon havia sonhado com isso. Em seguida, uma reviravolta do destino fez de Jamie sua parceira para o baile, e a vida de Landon Carter nunca mais foi a mesma.”
De todos os filmes existentes na face da Terra, Um amor para recordar sempre foi o meu favorito. De todos os gêneros, nenhum filme conseguiu me cativar e emocionar tanto quanto esse, então quando descobri que tinha o livro, é pouco dizer que eu surtei. Mas, pra ser sincera, o filme sempre foi tão perfeito pra mim, que eu tinha medo que o livro estragasse essa imagem (Olha que doidera, né. Geralmente o que ocorre é exatamente o contrário, mas vai entender), então acabei o deixando de lado, mesmo porque nem a capa tinha me incentivado muito, até o dia em que resolvi trocar um livro por esse.
Resultado? Foi receber o livro e terminar ele no mesmo dia.
“- Eu sei que o Senhor tem planos para todos nós, mas, às vezes, não consigo entender qual é a mensagem. Isso acontece com você?
Ela dizia isso como se fosse algo em que eu pensava o tempo inteiro.
- Bom - eu disse, tentando blefar. -, não acho que tenhamos de entender o que acontece o tempo todo. Eu acho que, às vezes, é preciso simplesmente ter fé.”

A história começa sendo contada por Landon Carter, um homem com seus quarenta e poucos anos, que relembra de como sua vida mudou completamente quando tinha dezessete anos. Voltando àqueles momentos que lhe marcaram tanto, ele nos conta detalhadamente sobre como ele era naquela época, um garoto digamos que despreocupado e que só se importava em se divertir com os amigos e tirar sarro dos outros, algo “normal” para qualquer adolescente. Quanto à família, enquanto sua mãe era totalmente adorável, ele não tinha muito contato com o pai, que sempre trouxe tamanha riqueza para eles, mas que mais vivia viajando do que ao lado deles.
Tudo estava plenamente calmo em seu dia a dia, e para manter essa folga, ele teve que escolher entre fazer teatro e química na escola. Achando que teatro seria bem mais fácil e simples de se tirar nota do que a escola, ele opta por essa matéria, algo que de cara logo o animou, pois 90% da classe era composta por garotas, sendo uma delas Jamie Sullivan.
Jamie Sullivan, definitivamente, não era como as outras garotas. Na verdade, ela era absolutamente diferente de qualquer uma. Talvez por influencia de seu pai, que era o reverendo da cidade, ela sempre vestia um blusão marrom e saia, o cabelo prendido num coque, e carregava sua bíblia pra tudo quanto é lado. Pra completar sua esquisitice, ela era solidária de uma forma exagerada. Provavelmente se alguém pedisse seu rim emprestado, ela não se importaria em lhe dar.
Como Landon morava numa cidade pequena, todos dali se conheciam desde pequenos, e inclusive, ele e seus amigos sempre zombaram de Jamie e seu pai, por milhares de motivos (e não que fossem muito válidos). Mas, como Jamie diria, estava nos planos de Deus colocá-la no caminho de Landon. Estava nos planos dele, mostrar a ambos o real significado de um amor verdadeiro.
Certas circunstâncias acabam fazendo com que Landon e Jamie tenham que conviver e se comunicar mais frequentemente um com o outro, como a peça de teatro que a classe deles devia apresentar, e o baile no qual Landon não encontra mais nenhuma garota razoável para chamar, e acaba convidando Jamie, que sem querer acaba o salvando de uma grande cilada. Com isso, aos poucos eles vão aprendendo a lidar com o jeito um do outro, e Landon percebe como esteve errado sobre muitas coisas a respeito dela.
”- Você é uma pessoa maravilhosa, Jamie. Você é bonita, é gentil, é bondosa... Você é tudo que eu gostaria de ser. Se as pessoas não gostam de você, ou se pensam que você é estranha, isso é problema delas.
No brilho cinzento de um dia frio de inverno, vi que o lábio inferior de Jamie estava tremendo. O meu também estava, e, de repente, percebi que o meu coração também estava acelerando. Olhei-a nos olhos, sorrindo com todo o sentimento que eu tinha, sabendo que não poderia manter as palavras dentro de mim por mais tempo.
- Eu te amo, Jamie - disse a ela. - Você é a melhor coisa que já me aconteceu.”

É difícil falar mais da história sem dar spoilers, embora eu acredite que 99% das pessoas já assistiram esse filme pelo menos uma vez na vida. Mas aí é que tá. A história não é igual. Lógico, tem a mesma base, o mesmo foco principal, mas o decorrer dos acontecimentos... É muito diferente.
Primeiramente, eu sempre gostei do trabalho da Novo Conceito, mas eu encontrei bastante erros na diagramação, e poderia ter sido revisado com um pouco mais de atenção, viu. Mas enfim. Um fato que eu não gostei, e que se não tivesse visto o filme, com certeza eventualmente ia me desanimar a continuar a leitura, é que o autor enrolou muito no começo. Sempre ouvi falar muito bem de Nicholas Sparks, mesmo porque não é a toa que tem tantos livros. Mas no começo, ele detalhou tantas coisas super bobas e desnecessárias, que não acrescentam nada à história, e isso acaba a tornando muito arrastada.
Com certeza, ele dá um bom ênfase ao relacionamento do casal, mas na parte em que ainda há muitas controvérsias entre eles. Landon não é tão cruel quanto no filme – pelo contrário, eu o achei um garoto bem legal e gentil. Inclusive, nem mesmo seu melhor amigo, Eric, é tão malvado assim com Jamie. Ele dá aquelas indiretas, mas nada tão explícito.
Confesso que no começo a Jamie me deu um pouco nos nervos quando falava o tempo todo em Deus, e cheguei a entender a irritação de Landon, mas da mesma forma que aos poucos ele foi se adaptando e se acostumando com isso, o leitor também vai identificando que faz sentido as questões e dúvidas dela, além de crer e concordar com suas palavras.
Sem sombra de dúvidas é uma história com uma lição de vida enorme, mas... Eu sei que é muito ruim ficar comparando livro com filme, mas é inevitável. Ambos são bons, mas eu senti falta de muitos momentos no livro que tem no filme, e que transformam o filme muito mais lindo, como as metas que ela deseja realizar, ou as constelações que ela adora ver. Não tem nada disso, e poxa, são as partes mais lindas! E no livro, além de o amor deles não ter me convencido tanto (embora, como eu disse, o autor passar um bom tempo falando de como eles foram se conhecendo, pra sóo depois de um bom tempo perceber que havia um sentimento diferente ali, e um amor também que foi completamente genuíno e sincero. Um amor que você se comove apenas em ver a simplicidade e a sinceridade que há entre eles), as partes em que eles finalmente ficam juntos passou muito rápido. Parece que ele correu com as cenas, e acabou não ficando tão envolvente assim.
Não vou dizer que não chorei e que o livro não virou um dos meus favoritos, porque eu estaria mentindo. Mas senti falta de algumas partes, um quê a mais, e principalmente, de uma frase que é incrivelmente tocante e inesquecível:
”Mas o nosso amor é como o vento: Não posso vê-lo, mas posso senti-lo.”

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 18 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário