segunda-feira, 18 de junho de 2012

Para Sempre

Livro: Para Sempre
Autores: Kim e Krickitt Carpenter
Editora: Novo Conceito
Livro: Skoob
Sinopse:
"A vida que Kim e Krickitt Carpenter conheciam mudou completamente no dia 24 de novembro de 1993, dois meses após o seu casamento, quando a traseira do seu carro foi atingida por uma caminhonete que transitava em alta velocidade. Um ferimento sério na cabeça deixou Krickitt em coma por várias semanas. Quando finalmente despertou, parte da sua memória estava comprometida e ela não conseguia se lembrar de seu marido. Ela não fazia a menor ideia de quem ele era. Essencialmente, a "Krickitt" com quem Kim havia se casado morreu no acidente, e naquele momento ele precisava reconquistar a mulher que amava."

Assisti ao filme muito por causa dos comentários a respeito do livro, e também por gostar bastante do tema. Digo, não que seja legal pessoas sofrendo acidentes, mas o romance em si.
No filme, Page é uma artista plástica e Leo um produtor musical, que criam um amor muito rápido, tanto que meses depois se casam (mas não um casamento de verdade, no papel e tudo mais), e num dia quando estão saindo do cinema, eles se distraem dentro do carro, e um caminhão bate na parte traseira do carro, arremessando Page que estava sem o cinto de segurança, com força para fora pelo vidro. Ela é levada imediatamente ao hospital, e após tanta aflição, ela acorda, mas sem memórias recentes do que havia acontecido nos últimos anos. Porém, mesmo com Page não se lembrando de Leo, ele continua lutando por ela e descobre a vida que ela tinha antes de se casar com ele, sua família egoísta, e segredos escondidos, como o motivo dela ter abandonado a família.
Falando assim, parece simples, mas é um filme completamente lindo, vocês não tem noção do quanto eu chorei! Hahaha. Toda a persistência pela esperança de que ela um dia lembrasse dele, a convencendo até de voltar a morar com ele, fazer as coisas que ela costumava gostar... Mas nada adianta, é como se fosse outra Page, diferente da que ele conhecia. E ainda assim, ele não desistiu, sofrendo as vezes até mais do que ela por saber que talvez nunca conseguiria recuperar o amor de sua vida.
Quem for ler o livro e depois ver o filme, ou ao contrário (meu caso), tem que se preparar e saber que não vai encontrar a mesma história, de forma alguma. O filme foi apenas baseado na história real, mas com MUITOS detalhes completamente diferentes, apenas a base é a mesma. Mas eu adorei a forma como conseguiram transformar uma história, em outra com o que se passa ao redor dos personagens, não sendo a mesma habitual. E ainda assim, de uma forma maravilhosa, que te envolve tão emocionalmente.


Já no livro, Kricknitt ajudava no atendimento ao consumidor de uma loja de esportes, e Kim sendo um treinador de beisebol, ligou para a loja pois queria comprar jaquetas para o time e foi muito bem atendido por ela. Algo nela chamou tanto a atenção dele, e isso só pelo telefone, que o incentivou a ligar mais vezes, até que não tinha mais desculpas pelos telefonemas e as conversas foram se tornando mais longas, intensas e sobre até a vida pessoal deles. Como o interesse só aumentava, ele resolveu combinar um encontro, e mesmo morando em cidades diferentes, eles passaram a se encontrar cada vez mais, e o sentimento ficando claro. Ambos viram que o amor só tendia a crescer, e ele a pediu em casamento. De fato, eu achei essa parte meio corrida, ainda mais pelo fato deles terem tomado tal decisão tão rapidamente. Mas acho que é porque eles devem ter preferido dar maior ênfase nos acontecimentos no decorrer, não ao princípio do namoro. Alguns meses depois do casamento, eles estavam viajando para visitar a família dela, mas ele estava resfriado e ela preferiu dirigir, para prevenir acidentes, embora não tenha ajudado muito, né... Já estava muito escuro, e quando ela conseguiu ver a luz do caminhão, tentou desviar, mas bateu da mesma forma, assim ocorrendo um trágico acidente. Eles quase não sobreviveram, e se não fosse por pessoas indo ajudá-los, de fato não teriam sobrevivido. Houveram complicações, transferências de hospitais, e mesmo Kim estando completamente destruído, tanto emocionalmente quanto fisicamente, ele negava os cuidados dos enfermeiros, preferindo que dessem atenção à sua esposa que estava quase morrendo, e tudo que mais queria era só poder ficar com ela, embora nem isso deixassem, e quando deixaram, foi porque a restava poucas horas de vida. Tanto ele quanto a família (dele e dela, que vieram desesperadamente logo que souberam) se recusavam a acreditar nisso, fazendo orações e rezando para que tudo desse certo. A fé é muito citada na história, mas não de uma forma exagerada e tediosa pra quem não gosta do assunto, é no ponto certo, que até nos faz acreditar que realmente, alguma força muito forte fez com que eles ficassem juntos. Quando ela finalmente acorda, algo que até os médicos acharam milagroso, ela não se lembra de nada, pois seu cérebro foi a parte mais danificada. Com o tempo, as memórias vão voltando aos poucos, menos os acontecimentos recentes, entre mais ou menos dois anos, que é exatamente o tempo em que eles se conheceram. Kricknitt também perde a noção de muita coisa, como até movimentos, que com um fisioterapeuta e Kim ela vai aprendendo a retomar, e age perfeitamente como uma criança, com birra e se estressando fácil, a ponto de gritar e ofender Kim milhares de vezes. E nem isso o fez desistir da mulher que ama. Mesmo sabendo que ela não era a mesma, e que possivelmente nunca mais seria.

"Seria aquela a nossa nova realidade? Eu poderia muito bem estar esperando por algum tipo de recuperação ou reconciliação que nunca chegaria a acontecer. Ao sair da sala, eu pensei: "Será que esse é o fim? Talvez a situação não consiga ficar melhor do que isso". Pela primeira vez eu me permiti, verdadeiramente, considerar o fato de que minha esposa nunca mais voltaria a ser a pessoa que era antes do acidente, a pessoa por quem me apaixonara."

No livro, eu achei o procedimento pra ela se recuperar, bem mais difícil do que no filme, apesar de no filme também dar um aperto enorme no coração. Kim tenta absolutamente tudo, mas ela não parece demonstrar sentimentos, nem sabendo o que ocorreu em seu casamento, ou vendo fotos e vídeos. Ela se reconhece, mas não faz idéia do que estava sentindo, parece apenas um casal desconhecido. Eles vivem brigando e discutindo, coisa que dificilmente acontecia antes, o que torna mais complicado a relação entre eles.
Acho que o que mais choca ao lermos, é sabemos que é uma história real. De verdade, eu gostaria de saber quantas pessoas teriam a mesma força de vontade de Kim, se estivessem em seu lugar. Garanto que poucas, pois não foi pouco o que ambos passaram. Quando eu terminei a história e fechei o livro, eu fiquei parada por um bom tempo apenas pensando em como tudo se desenvolveu, e o quão verdadeiro era o amor dele, por suportar todas as barreiras firmemente, e por nem uma única vez, desistir dela. Pelo contrário, ele conseguiu reconquistá-la novamente. É igual 'Como se fosse a primeira vez', com a diferença de que foi real, e vai saber quantos casos parecidos acontecem e nem fazemos idéia!
Vi comentários de pessoas reclamando que o livro precisava ter mais romance, e blabla. Mas pelo amor de deus, precisa mais romance além dele passar o livro INTEIRO ao lado dela, a ajudando em absolutamente tudo? Acho que nem precisa demonstrar pra perceber, é algo óbvio. É uma lição de vida maravilhosa, é o tipo de história que após finalizarmos a leitura, continuamos pensando nela durante o dia inteiro. É uma história linda de se ler, e levar pela vida inteira, tendo uma base para quando circunstâncias difíceis acontecerem, lembrarmos do quão fortes eles foram, e seguirmos o exemplo, pois fica marcado para sempre.


Nenhum comentário:

Postar um comentário