segunda-feira, 27 de junho de 2011

Desafio de Equipe #012

Lançado por: Carol

Título Original: Limitless
Título traduzido: Sem Limites
Ano: 2011
Gênero: Ficção Científica, Suspense
Classificação: 14 anos.
Elenco: Bradley Cooper, Abbie Cornish, Robert de Niro
Sinopse:
Na trama, Bradley interpreta Eddie, um escritor desleixado que aceita a sugestão de um amigo e toma uma pílula super-potente: após ingerir o medicamento, em poucos minutos, as atividades cerebrais da pessoa aceleram de maneira surpreendente, fazendo com que a pessoa consiga usar praticamente 100% das atividades cerebrais. Metido a esperto, Eddie usa o “fortificante” para ganhar dinheiro e fama. Entretanto, um executivo veterano (interpretado por Robert De Niro) começa a perseguir o rapaz com o intuito de saber mais sobre a pílula.



Resenha: Aposto que assim como o assunto principal do filme (o fato do personagem principal ser um escritor) me interessou, terá o mesmo efeito em vocês, amantes da leitura. Apesar de não comprovada a teoria, acreditamos que nós, seres humanos, só usamos 10 ou 20% dos nossos cérebros, o que pelo menos em meu ponto de vista, é muito pouco, comparado a capacidade que podemos utilizar.
Sem limites aborda este assunto em especial. Eddie Morra é um escritor fracassado que há tempos tem dificuldade em achar criatividade, imaginação, e principalmente, concentração para começar a história de seu livro. Mas como conseguir isso, se nem uma única palavra para dar início, ele conseguia arranjar? Para piorar a situação, sua namorada, cansada da vida que Eddie estava levando, o abandona. Tudo parecia sem solução, até Eddie encontrar seu ex cunhado, Vernon, que oferece a Eddie uma droga ainda não lançada, que permite usar 100% do cérebro. Poucos minutos após tomar, diversas idéias de diversos assuntos que ele nunca soube antes, lhe tomavam com força total. Cada coisa que ele já viu um dia na vida, assistiu na televisão, leu em jornais, qualquer detalhe bobo, como nós que temos dificuldade de decorar tudo que está escrito em livros para as provas e precisamos da colinha básica, haha, já não era mais necessário. Até outras línguas ele aprendeu com a maior facilidade do mundo, e acabou tornando-se dependente da droga, já que aparentemente só trazia resultados bons. Porém, nem tudo é uma maravilha, já que com isso, ele consegue muitos inimigos. Eu achei o filme MUITO bom, (além de querer também essa droga viu, ando precisando, haha) apesar de alguns detalhes bobos que poderia ter sido feito melhor. Fora isso, vale muito a pena assistir!



Caue:
Eu já tinha visto alguns comerciais de Limitless e tinha gostado bastante do que vi, fiquei com vontade de assistir logo de cara, mas a preguiça falou mais alto e eu nem procurei para ver..^^' Mas ai surgiu o desafio e pronto, a oportunidade estava ganha! =]
A primeira coisa que me chamou a atenção no filme foi o protagonista, não lembro o nome do ator, mas sei que ele está em Se Beber Não Case, então eu sabia que se não gostasse do filme, alguma coisa engraçada teria com ele.
A idéia de como mostrar a história foi bem lgl, indo do fim para o começo, assim pudemos acompanhar o desenvolvimento de Eddie na história, e olha, ele muda radicalmente!
Eu achei que o foco do filme seria descobrir quem produzia o NZT mas embora apareça, ficou bem batida essa parte da história, o foco foi mais na história de Eddie mesmo e como ele iria sair de toda a confusão em que se meteu.
Outro ponto interessante, é que mesmo Eddie tendo acesso agora a 100% do cérebro, ele não sai por ai desenvolvendo as fórmulas de Einstein, tudo o que ele faz é em beneficio próprio e nos próprios diálogos, tudo o que ele fala vem de lembranças que ele nunca se recordaria usando os 20% que nós meros mortais usamos, então quando ele fala (mesmo sendo meio rápido) nós conseguimos entender bem!
Bom, super recomendo o filme, a história foi bem criativa e o final foi ótimo! Com certeza vocês vão gostar!^^
Ps: eu queria pelo menos um comprimidinho de NZT, só pra ver como é, mimi D:


Juh:
Sinceramente eu gostei do filme, a ideia de utilizar o cérebro inteiro já é um conceito muito usado, mas que ainda tem assunto pra ser discutido. É um filme que chega a ser considerado de ação por seu início e fim, mas que de fato, precisa pensar muito para entender o que é feito. Fiquei com o maior nojo lá pelo final, quando ele joga uma agulha no cara, mas achei o filme ótimo, apesar de não ser meu gênero favorito de filmes.


Leeh:
Quando o desafio foi lançado e eu li a sinopse, fiquei super animada, mas realmente não esperava que o filme fosse assim. Assim como? Assim, bom!
Eu adoro filmes de ação/ficção. E a história do escritor em crise de criatividade que toma o NZT é realmente muito boa. O mais legal é que, depois de tomar, ele terminou um super livro em 4 dias. Não é a toa que mais pro final, as consequências vão aparecendo. Quer dizer, você quer mesmo usar 100% do seu cérebro e não ter consequências? Olha a situação de Steven Hawking, um super gênio. A maioria dos caras super gênios acabam se fudendo, no final. Ficam doidões e tal. É muita informação! E o bom, foi que o filme não mostrou ele virando um super cientista e tal, pelo contrário. Ele usou o cérebro da maneira que a maioria dos seres humanos egoístas usa: para benefício próprio. Claro que ele foi ajudar a tia que tinha câncer, mas nada demais.
E, com isso, não vieram apenas as consequências só de tomar o remédio, mas também de usar tudo apenas para benefício próprio - os bad guys atrás dele.
No fim, eu só sei de uma coisa: Eu queria poder usar 50% do meu cérebro! Olha, só com isso eu já tava feliz, viu... Esses meus 20% tão danificados, acho ):

Mari: Não participou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário