terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O Véu + Entrevista



Sinopse:
Como uma barreira tão fina pode esconder tão grande verdade?
Ana teve uma infância feliz ao lado de suas tias em Três Corações. Com elas, a garota aprendeu a sonhar e acreditar em toda a forma de magia que o mundo tinha a oferecer. Porém, crescer significou também amadurecer, e ambas as coisas a fizeram abdicar das fantasias do passado.
Porém, agora, as histórias contadas em volta da fogueira há tempos atrás voltaram com toda a força, quando aquele que esteve ao lado de Ana o tempo todo parece esconder um grande segredo.
Teria você também coragem de atravessar o Véu?



Não tenho palavras certas para descrever tudo que senti lendo o véu. Eu sempre brinquei com a Juh aqui do blog, chamando ela de bruxinha, por ela se interessar muito com temas relacionados à magia, feitiços e bruxaria, mas não imaginava que tal assunto me chamaria tanta atenção numa história.


Ana era uma criança que, assim como suas tias, e diferente de sua mãe, acreditava muito em magia. As duas tias tinham o hábito de contar à pequena garota histórias antigas, algumas que elas até mesmo viveram, por se denominarem bruxas de alto poder. Ana passava as férias em Três Corações, na casa dos avós, onde podia ficar proxima das tias, e descobrir cada vez mais contos que a encantavam. Até que então, uma tragédia pôs fim em todo o encanto.
Após o terrível acidente - que por um acaso ninguém ao seu redor acreditava, achando que era apenas uma ilusão de sua mente -, Ana passou a desacreditar em tais crenças e na existência da magia no mundo. Anos depois, Ana pôde crer que a tragédia ficaria no passado. Contudo, a pessoa que mais confia, traz o passado de volta à tona, e Ana mal pode acreditar no que está presenciando.

Ana e Ian, seu melhor amigo que a ajudou quando era apenas uma criança traumatizada com o ocorrido, são chamados para comemorar o aniversário de Laila no sítio da família. Mal sabiam ambos o quão torturante poderia ser essa viagem. Ao invés de algo tranquilizador, relaxante e divertido, viriam diversas questões e mistérios sobre a pessoa que Ana julgava conhecer melhor do que qualquer um: Ian.

Ian vive numa luta eterna consigo mesmo, tendo de muitas vezes se mostrar frágil, para que não demonstrasse o quão forte e feroz ele pode ser. Ele carrega um acontecimento no passado, um ato inconsciente, que o aterroriza até os dias atuais, e tem um medo absurdo de cometer o mesmo erro novamente.

- Então, mesmo uma magia que foi usada anos atrás para fazer uma criança chorar... - e levou a mão até a boca, sussurrando algo ali que Ana não conseguiu identificar.
Ana ia perguntar o que ele estava fazendo quando sentiu uma brisa passar por seu rosto. O vento começou a passar por suas orelhas, produzindo um som que a deixou assustada com as lembranças que causava. Mas logo serenou, pois a voz que ali se produzia estava longe de ser aquela medonha e fria do dia da morte de suas tias.
Esta era doce e dizia-lhe uma frase linda demais.
Eu te amo.
Ana sorriu reconhecendo a voz de Ian no vento.
- ... pode fazer, anos depois, uma mulher sorrir. - completou a frase.


Quando nós começamos a ler "O Véu", é incrível como nós somos rapidamente transportados pro mundo da magia, e parecemos até viver a história. Se eu for falar mais algo, tenho certeza que acabarei soltando algum spoiler, então me manterei controlada. Lendo a sinopse, admito que não esperava que tivessem demônios, fadas, e magos envolvidos, então foi uma surpresa. Logo que começamos a ler, não têm como parar. A cada cena, eu ficava curiosa para saber qual seria a próxima, o que finalmente iria acontecer.
Não posso dizer exatamente o que mais me atraiu neste livro, pois na verdade, foram várias coisas! Como por exemplo, o autor aborda o assunto de uma forma profunda, explicando detalhadamente o que ocorreu no passado, para ter tal resultado. Outro exemplo, é como duas histórias podem se juntar. Numa hora, estamos falando de Ana, Ian, Solange; No outro capítulo, do Bispo, de Ângelo, Cassandra; E no outro, de Catarina, Nero e Satine. Sendo que, quando formos ver, tudo é relacionado, e é realmente incrível essa junção.
É um livro muito bem construído, repleto de romance, amizade, ação, mistério... Tudo que se espera num livro. Admito que acabei até chorando em algumas partes, principalmente no final. É muito envolvente, você se vê dentro do mundo da fantasia, e meio em desespero para que tudo dê certo no final. Tanto que, quando eu terminei de ler, logo corri para ser a segunda parte, eu precisava urgentemente saber como tudo isso ia acabar, haha. Ou, na verdade... Lamentando que acabaria, pois livros realmente bons, a gente espera que nunca acabe, e quando infelizmente isso acontece, dá uma vontade horrível de reler, ou então um vazio, e a gente permanece pensando nela até mesmo quando finalizou. O conteúdo e o desenrolar é fantástico. Sem sombra de dúvidas, vale muito a pena ler O Véu!



A literatura nacional têm me surpreendido cada vez mais. Os livros brasileiros que eu tenho visto a sinopse, e também lido, são simplesmente maravilhosos! Eles nos trazem encanto, e nos incentiva a lermos mais livros nacionais. Isso é ótimo, pois significa que nosso país está repleto de novos escritores com muito potencial, assim dando a chance de se expandir por outros países, e reconhecerem as obras produzidas por nós.
Reforçando isso, nós do blog Hangover at 16, fizemos uma entrevista exclusiva com o autor de "O Véu": Willian Nascimento.
Confira abaixo. ;)

Hangover: De onde surgiu sua paixão pela literatura?

Willian: Devo tributar minha paixão pela literatura ao investimento de horas e mais horas de minha vida em jogos de RPG. Sem sombra de dúvidas que esse jogo me proporcionou na adolescência um ótimo exercício para a imaginação, me motivando a ler a fim de conseguir inspirações para depois eu mesmo ser capaz de criar minhas histórias.

H: Como e quando você decidiu começar a escrever?

W: Apesar de sempre criar histórias, nunca tive muita paciência para escrevê-las. O motor motivador para eu iniciar foi um desejo de uma amiga minha em ler a história de O Véu, que ainda maturava em minha cabeça. Comecei a escrever acreditando que pararia no meio, porém, me vi cada vez mais empolgado com o hábito que estava adquirindo. Agora, não consigo mais viver sem isso.

H: Qual sua grande inspiração para criar histórias?

W: Todo o tipo de coisas. Quando escuto músicas pesadas, gosto de pensar em cenas de ação, quando escuto baladas, penso em cenas de amor. Quando vejo um filme, quando leio um livro. Acho que a vida em si é a maior de todas as fontes de inspiração. As coisas podem vir do nada, como em uma conversa, onde uma frase excitante sai, ou então de um simples passeio, onde uma paisagem pode fazer você pensar em toda uma cena se desenrolando nela.

H: Teve muito sucesso logo que colocou "O Véu" disponível para baixar na internet?

W: Claro que não (risos). Demorou muito para que a primeira pessoa se manifestasse no interesse de ler. Daí, a coisa foi se desenrolando lentamente. Eu tinha a média de umas duas ou três leituras por mês. Porém, à medida que o número ia crescendo e as críticas positivas aumentando, mais e mais pessoa foram sendo trazidas para o mundo de O Véu. E hoje eu recebo vários e-mail e contatos em minhas redes sociais, que me trazem mensagens de gente de todo o país e até de alguns brasileiros que moram no exterior. Parece que O Véu finalmente alcançou seu espaço, porém, muito há ainda o que crescer.

H: Como você divulgou?

W: Usei a internet massivamente. Blogs, redes sociais, e-mails. Bati no correio eletrônico de todos aqueles que eu pude. Em algumas vezes me sentia como um vendedor chato de bugigangas. (risos)

H: A reação dos leitores foi como você esperava?

W: Na verdade foi muito melhor. Esperei receber uma chuva de críticas, pois não acreditava, em princípio, que o livro fosse realmente bom. Só fui crer mesmo em seu potencial depois de que pelo menos uns trinta tentaram me convencer disso.

H: Seus livros são publicados por uma editora ou independente? Qual é a melhor forma?

W: Meus livros, até o momento, são todos independentes. O que é melhor? Bem, aí depende das circunstâncias. Quando se encontra uma editora séria, que realmente está interessada em seu trabalho, aí o autor deve se agarrar a ela com todas as forças. Entretanto, quando não, aí o melhor é pular fora e tentar lutar com suas próprias forças. Não é um trabalho fácil, mas quem disse que literatura é um ramo fácil?

H: A personalidade dos personagens tem alguma característica marcante que você também possua? São inspirados em alguém conhecido, famoso, ou surgiu de sua imaginação?

W: Eles são um grande recorte de inúmeras pessoas. Eles possuem tanto partes de mim quanto de pessoas próximas ou que apenas conheço parcialmente. Posso dizer que eu mesmo possuo um pouco da temperança do Ian, da insegurança da Ana e do gênio do Ângelo. Eu sou um pouco de cada um destes personagens e eles são uma pequena parte intrínseca de mim.

H: Qual seu gênero favorito de livros?

W: Fantasia contemporânea encabeça a lista, entretanto, curto um pouco de tudo. Só posso dizer que livros de Auto ajuda não são os meus favoritos. Tenho certa aversão a esses trabalhos, mas não menosprezo seu valor literário.

H: Qual sua dica para escritores iniciantes que estão começando agora a seguir esse rumo?

W: Bem, pode parecer óbvio mais a maior dica que posso dar é para lerem muito. Pois antes de qualquer bom escritor, está um grande leitor. Leiam não apenas superficialmente, mas intensamente. Tenham o olhar crítico, atentem-se nos detalhes, nos estilos de cada autor, e vão construindo o seu aos poucos. Leiam de tudo, tanto autores clássicos quanto contemporâneos, tanto estrangeiros quanto brasileiros, pois cada um destes tem algo com o que contribuir. E é claro, se quiserem um bom laboratório para treinar a imaginação: RPG! (risos)

H: Já têm em mente alguma idéia de próximos livros?

W: Várias, na verdade. No momento estou começando a desenvolver alguns contos para poder participar de antologias, e estou me preparando para começar Despertar, que contará a história de Ian antes do Véu. Essa história foi, na verdade, o embrião de O Véu, mas que acabou sendo deixada para segundo plano conforme a idéia principal ia se desenvolvendo.

H: Quando você decidiu realmente escrever uma história para publicar, foi difícil? Por exemplo, teve que se aprimorar mais em palavras, pesquisar sobre assuntos relacionados ao tema da história?

W: O trabalho de escrever é um trabalho árduo. Pois as palavras têm que ser cuidadosamente pensadas e articuladas. Sem dúvidas foi um trabalho intenso e que me exigiu consultas a dicionários, pesquisas e muito café (Risos). Fora conversas com amigos e conhecidos, para tentar aprimorar a história. Pois nenhum livro é escrito sozinho.

H: Em "O Véu", o assunto é bastante relacionado à magia, bruxaria, e demônios. Você também se interessa bastante sobre tais citações, ou pesquisou e se aprofundou mais no tema, para conseguir escrever?

W: Essa sempre foi uma temática que me fascinou. Desde jovem eu ficava encantado por histórias de bruxas e demônios. O livro só me exigiu uma pesquisa mais aprofundada no tema. De um hobbie, passou a ser uma função.

H: Seus livros tem a intenção de nos transmitir alguma mensagem?

W: Aprendam a relativizar as coisas. Não tomem uma verdade como absoluta e sempre estejam abertos para novas maneiras de verem algo, alguém, ou algum lugar. Não tornem seus preconceitos algo inerente em suas vidas. Acho que no geral, O Véu fala disso.

----

Skoob do autor | Livro no Skoob | Faça o download de "O Véu" | Outro livro do mesmo autor, "De Corpo e Alma"

A mudança foi acontecendo de forma sutil, mas perceptível: o preto ia dando lugar ao azul vagarosamente. (...) Mas agora o vento passou a soprar mais forte que nunca e Ana não foi mais capaz de focar sua atenção em Ian, pois a poeira começava a ser soprada para todos os lados ameaçando sua vista. E junto com a areia que era arremessada, aquela ventania trouxe também algo que gelou seu coração. Pois, da mesma forma que acontecera há quatro anos, o som produzido foi ganhando forma até se tornar uma palavra clara nos ouvidos de Ana. Apesar de tampar as orelhas a fim de evitar escutar o conteúdo da mensagem, já era tarde demais.
Matar.


Bom, para finalizar, nós do Hangover, gostaríamos de agradecer MUITO o Will, que nos deu atenção e foi extremamente carinhoso e atencioso, até tirando algumas dúvidas nossas. Desejamos à ele muito sucesso com O Véu e seus próximos livros. O Hangover apoia a literatura nacional, e apoia vocês lerem o livro do Will, haha ;P
Esperamos que tenham gostado da entrevista, e para enviar a sua pergunta para os próximos autores que serão entrevistados, veja a parte de Leitores e Entrevistas do site, onde tiramos suas dúvidas ;)

20 comentários:

  1. Nossa esse livro parece ser perfeito!! Já tinha visto sobre ele só que nunca me interessei, não acho a capa dele tão legal! Agora que li a resenha e vi que te messe tema de magia eu adorei!! Vocês leram em ebook foi ?!

    Abraço


    Luiz Silva
    blogueiroleitor.blgospot.com

    ResponderExcluir
  2. Ja ouvi falar do livro, é bom saber que cada vez mais leitores brasileiros estão se manifestando com publicações realmente boas.

    ResponderExcluir
  3. Parece ser um excelente livro e a capa me encantou!

    Parabéns pela entrevista.

    Bjo

    Pri

    Entre Fatos & Livros

    ResponderExcluir
  4. Realmente o livro é perfeito!Will tem um talento incrível para escrever com naturalidade, detalhes apenas os necessários, não tenho nem palavras... Recomendo a leitura.
    Abraços!

    SAGAS MARCANTES

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro, mas parece ser bem legal...os autores nacionais estão dando show.

    http://sempre-lendo.blogspot.com/

    Abraços

    Juan

    ResponderExcluir
  6. Amei esse livro, ele é tudo de bom, recomendo.

    ResponderExcluir
  7. Já li muito sobre esse livro!
    E gostei da entrevista !
    bjossss


    Nii
    Faz Parte...

    ResponderExcluir
  8. não conhecia esse livro, mas fiquei curiosa, talvez eu leia algum dia desses. ^^


    a entrevista ficou ótima, parabéns. ^^

    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Estou louquinha para ler o livro,embora não tenha achado em nenhuma livraria aqui por perto:(Desejo cada vez mais toda vez que leio uma resenha ou sua sinopse...Concordo com você,a literatura brasileira vem surpreendendo cada vez mais,principalmente no quesito magia!!Adorei a entrevista!
    Bjos^^

    ResponderExcluir
  10. Parece ótimo, já ouvi muito deste, quero ler *-* Adorei o lay novo, by the way
    beijos :*

    ResponderExcluir
  11. Eu comecei a ler o livro, mas tive que parar. Estou louca pra terminar de ler.

    Bjs

    Amanda / Vício em livros

    ResponderExcluir
  12. Adoorei a entrevista!!
    Logo logo vou ler o livro! *-*

    Beijos
    Rapha
    Doce Encanto
    http://rapha-doceencanto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Tenho um selinho pra você! http://cafecommagia.blogspot.com/2010/12/selinho-4.html
    Beijos'

    ResponderExcluir
  14. Aaaah, o livro é realmente incrível! Eu li, amei e divulguei. E sim, vale a pena. Eu falei tanto do livro, que uns amigos resolveram ler e amaram. Estou ansiosa pra ler 'De Corpo e Alma', mas não ando tendo muito acesso á rede, isso complica as coisas "/

    Serei eternamente grata pelo William ter vindo diretamente a mim divulgar seu trabalho. Logo que criei o skoob, recebi uma mensagem dele e uma das melhores coisas que fiz até hoje, foi não tê-la ignorado.
    William, você merece todo o mérito por seu trabalho, pois acredite, é tão gratificante pra nós, leitores, que tivemos a honra de ler esta história e de alguma forma, ainda que em nossas fantasias, fazer parte dela, quanto pra você, ter todo esse reconhecimento.

    Loreen Rodriguez

    ResponderExcluir
  15. Eu quero esse livro.
    Adorei e é muito chamativo. Eu quero mesmo! Se tiver promo avisa!


    Nine
    @nine_stecanella
    http://janinestecanella.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Nossa fiquei muiiiito mais curiosa para ler! Vou ver se termino as leituras dos livros que tenho aqui em casa e começo a lê-lo!
    Beijinhos, K.
    Girl Spoiled

    ResponderExcluir
  17. Nunca tinha visto esse livro, mas até que gostei.
    Fiquei curioso com essa sinopse, parece ser bem diferente.

    Abraço
    Victor Lopes
    yaboys.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Já li o livro, e como foi dito na postagem, é ótimo! Eu me impressionei com a história, não esperava 'tudo aquilo', ainda mais para o primeiro livro de um autor iniciante.

    Gostei muito da postagem e do blog, serviço muito bem feito ;)

    ResponderExcluir
  19. Li os dois volumes de O Véu, e é incrivel!
    Foi uma leitura maravilhosa, nem sei quantos sentimentos passaram por mim.

    Parabéns Will, esse é apenas o começo, você vai fazer muito sucesso!

    Ótima resenha e grande entrevista, Parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Adoreeeeeei tudo *-* Já comecei a ler O véu II e pretendo ler todos os livros do Will... Mt boa a entrevista 8) ;*****

    ResponderExcluir