sábado, 9 de junho de 2018

Os Distorcidos

Título: Os Distorcidos
Título Original: Five Night at Freddy's: The Twisted Ones
Autores: Scott Cawthon e Kira Breed Wrisley
Série: Five Nights at Freddy’s - #2
Editora: Intrínseca
Ano: 2018
Páginas: 288
Livro: Skoob
Sinopse:
No primeiro volume, Olhos Prateados, Charlie e seus amigos desvendam misteriosos assassinatos que aconteceram na Pizzaria Freddy Fazbear’s, um lugar tomado por perigosos animatrônicos. Agora, em Os Distorcidos, um ano se passou e Charlie continua assombrada por pesadelos. Para piorar, uma nova onda de assassinatos começa a acontecer e ela se pergunta: mas se todo o terror foi destruído junto com o que sobrou da pizzaria, o que estaria por trás dessas mortes?

1. Olhos Prateados
2. Os Distorcidos

Five Nights at Freddys conta a história de 5 pessoas, amigos desde infância que agora, crescidos, enfrentam as sombras do passado que pensavam ter deixado pra trás. Essas sombras se tratam especificamente dos animatrônicos, robôs com roupas de animais que uma vez alegraram as crianças na pizzaria, e agora os 5 amigos sabiam que eles eram muito mais do que isso.

Em Os Distorcidos, embora todos tentem seguir em frente, Charlie é a que saíra com mais cicatrizes. Descobrira segredos horripilantes de seu pai e do sequestro do irmão gêmeo, e desde então não conseguia se afastar do ocorrido. Embora tivesse entrado pra faculdade e passado a dividir um apartamento com sua amiga Jessica, Charlie ainda se sentia presa à sua velha casa e queria aprender mais sobre os mecanismos por trás dos animatrônicos. Por isso, ela levara consigo um dos que seu pai havia lhe dado, e agora o estudava, escondendo o fato da amiga, uma vez que temia o que ela pensaria de Charlie se a visse percorrendo o mesmo caminho do pai.

John também retorna à cidade e passa a visitá-la com frequência. Charlie está sempre avoada, claramente com a mente longe, mas mesmo assim John não desiste. Acima de tudo, ela é sua amiga, e ele precisa ajudá-la com o que a está perturbando. Logo, John descobre que o terror de Charlie é muito maior do que ele poderia ter imaginado.

Charlie encontrou três corpos falecidos, e os ferimentos são característicos de algo que ela reconhece com facilidade. Charlie e seus amigos pensaram que tudo havia acabado, mas não. Os animatrônicos ainda estão à solta, e agora parecem mais ferozes do que nunca. E o pior de tudo? Coincidentemente ou não, as vítimas são parecidas fisicamente com ela.

Será que os animatrônicos tinham intenções de pegá-la? Como conseguiram chegar à cidade? E o que eles poderiam fazer para detê-los?



A história de Five Nights at Freddys foi originado do jogo com o mesmo nome. O primeiro volume foi muito bem escrito e desenvolvido, uma leitura frenética que me manteve atenta o tempo inteiro. Os Distorcidos, infelizmente, já sofre da maldição do segundo volume.

Na continuação, o foco está em Charlie e seus dois amigos que procuram por pistas e tentam compreender o que está havendo por trás dos assassinatos. O livro é narrado em terceira pessoa, o que achei muito ruim, já que temos os pensamentos de Charlie descritos em grande parte da obra, e isso teria sido aplicado de forma bem melhor se fosse narrado em primeira pessoa.

Ainda assim, a parte que mais me irritou foi: Charlie. Quando a gente não suporta o protagonista, pode esquecer. A história não vai funcionar do jeito que devia, nem a leitura será proveitosa. No primeiro volume, Charlie já tomavam algumas atitudes que incomodavam, mas nesse foi demais. A obsessão dela pelos animatrônicos é absurda. Todos tentam deixar o passado pra trás, mas ela nem se esforça. Ela só pensa nisso 24 horas por dia, e pra piorar, trata os outros como se o mundo girasse apenas ao seu redor. John é o maior trouxa que só existe nos livros. É só ela estalar os dedos e ele já está correndo atrás. O cara falava, tentava marcar encontro, e ela nem aí!! Só pensava em si mesma e nos problemas dela. Isso faz a personagem perder qualquer pingo de carisma que restava. Além disso, ainda é ríspida e grosseira, e pra mim, nada justifica agir de tal modo com pessoas que só queriam o seu bem.

Enfim... Não posso falar muito da história pra não soltar spoilers, e embora a premissa seja ótima e todo o mistério acerca dos animatrônicos continue firme e original, senti falta dos demais personagens, e pra ser sincera, a protagonista estraga tudo.

Nota: 3


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 23 anos, biomédica e autora do livro O Poder da Vingança. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário