sábado, 23 de junho de 2018

O Labirinto de Fogo

Título: O Labirinto de Fogo
Título Original: The Burning Maze
Autor: Rick Riordan
Série: As Provações de Apolo - #3
Editora: Intrínseca
Ano: 2018
Páginas: 368
Livro: Skoob
Sinopse:
Apolo, o deus mais glorioso e belo que já existiu, causou a ira de Zeus e foi expulso do Olimpo. Ele foi parar na terra, mais precisamente em uma caçamba de lixo em Nova York. Agora, ele é Lester Papadopoulos, um mortal desajeitado e sem poderes divinos. Para reconquistar seu lugar ao lado do todo-poderoso, Apolo terá que libertar cinco oráculos desaparecidos.
Com a ajuda de alguns amigos semideuses, como Percy Jackson, Leo Valdez e a desbocada Meg McCaffrey, Apolo conseguiu sobreviver às duas primeiras provações de sua temporada terrena. Agora, ele vai ter que enfrentar mais um componente do triunvirato do mal formado por antigos imperadores romanos e deve descer até o Labirinto de Dédalo para impedir que o terceiro imperador destrua o próximo oráculo da lista.

1. O Oráculo Oculto
2. A Profecia das Sombras
3. O Labirinto de Fogo

Apolo foi castigado por Zeus e agora é um mortal espinhudo e gorducho chamado Lester Papadoulos. Junto de sua amiga-chefe semideusa de apenas 12 anos, Meg, ele já enfrentou diversas batalhas e desafios para libertar os oráculos, mas não fazia ideia de que a jornada até Zeus perdoá-lo ainda seria longa e dura.

Deuses do Olimpo, me tirem uma dúvida rapidinho: eu já não sofri o bastante?

Após encararem armadilhas no Labirinto de Fogo, Apolo, Meg e Grover conseguem chegar ao lugar que uma vez fora a casa de Meg, e agora residem seres da natureza, os poucos que restaram na região, graças às queimadas que o Labirinto de Fogo gerava na superfície. Lá, eles conhecem dríades e se reencontram com o sátiro treinador Hedge, que acompanhara os semideuses na série Heróis do Olimpo.

"Você está sentindo um distúrbio na força?"

Acontece que Apolo precisa libertar o oráculo Herófila que está no Labirinto e, segundo a profecia, apenas duas pessoas são capazes de ajudá-los nessa tarefa: Piper e Jason Grace. Eles então vão até Piper, descobrindo que seu pai estava arrasado após perder suas propriedades e finanças, além de que Piper havia terminado o namoro com Jason. Piper conta que se separaram a única vez que foram sozinhos ao labirinto e apenas Jason conseguiu chegar até o oráculo, mas quando saiu parecia muito estranho e diferente.

Assim, ela decide ajudá-los sozinha, contudo, uma vez no labirinto, se deparam com a feiticeira Medeia, que anuncia seu grande plano maligno: extrair a essência de Apolo até a morte e transferi-la para o imperador romano Calígula, que sempre desejou ser um deus do sol. E que oportunidade melhor eles teriam do que aquela, com o próprio deus do sol em forma de humano, completamente impotente e destituído de seus poderes para impedi-los?

"Comecei a me perguntar se talvez, só talvez, Zeus não tivesse agido certo ao me mandar para a Terra, para reparar os erros que eu tinha permitido que acontecessem."

Sem sucesso na missão de resgatar o oráculo sozinhos, eles resolvem ir atrás de Jason, para tentar descobrir o que aconteceu quando ele esteve sozinho no labirinto e o que o oráculo havia profetizado para ele, o que haveria de ser tão assustador que deixaria o grande semideus e herói romano abalado o suficiente para não querer voltar.

Mesmo com a profecia e o que quer que ela dissesse, eles precisam resgatar o oráculo e parar o Labirinto de Fogo, antes que toda a Costa Oeste queime e não reste mais elementos da natureza, bem como tentar impedir o plano do Imperador. Assim, eles partem atrás dos sapatos de Calígula, um item essencial que mostraria o caminho atá Herófila.

Será que Apolo conseguiria encontrar o sapato e libertar seu oráculo? Se isso de fato acontecesse, a que custo seria?

"Os ricos e os deuses eram sempre os últimos a sofrer."

Nesse volume, a evolução de Apolo é muito palpável. Ele começa a pensar como um humano, a sofrer como um humano, e a entender o abismo que há entre ser um deus e um humano. Como os deuses às vezes tratam a vida mortal como algo descartável e, com isso, percebe como ele mesmo tratou tantas pessoas ao longo de sua vida imortal, e agora, sendo um mortal, enfrenta as consequências de muitas atitudes.

Tio Rick nos presenteia com uma escrita jovial e divertida como estamos acostumados, bem como cheia de referências, mas também muito mais madura. Dessa vez, Rick não tem medo de fazer os personagens sofrerem. Tanto eles como nós leitores sofremos e muito. Acho que foi a primeira vez que chorei com um livro dele e por isso digo que foi um volume forte. Tenho a impressão que o Rick tem andado demais com a Cassandra e Holly Black, porque olha, que maldade fazer isso com personagens que tanto gostamos, e também com personagens que acabamos de conhecer e simpatizar.

"Will Shakespeare. Quer dizer, sim, claro que ele era bom, mas até ele ficaria horrorizado com a quantidade de horas que os adultos mortais passavam falando sobre suas peças para adolescentes entediados, com a quantidade de cachimbos, paletós tweed, bustos de mármore e dissertações ruins que até as piores peças dele inspiraram."

Eu diria que esse é um livro de altos e baixos. Algumas passagens tiveram um pouco de enrolação, demorei também pra engrenar na leitura por não lembrar 100% dos volumes anteriores, mas quando peguei o ritmo, foi frenético.

Dos personagens que mais aparecem nesse volume, Grover mata nossa saudade da época de Percy Jackson, e Piper enfim ganhou um espaço grande pra mostrar sua força e determinação. Ela se tornou o que podemos chamar de personagem fodona. Gostei muito de como ela se manteve firme mesmo em meio ao luto, tendo em mente que no momento algo maior do que ela estava sendo posto em jogo.

Enquanto isso, nossos inimigos pareciam não ter nenhum problema para se comunicar com deuses e o mundo dizendo Apolo aqui em casa. Cadê vc? Me ajuda a matar ele! 

Meg tem uma personalidade única, uma jovem brava e leal que mesmo sem querer provoca boas risadas.

Sempre gostei do Apolo, meu deus preferido, e a cada volume que passa, mais vemos como ele está se tornando humano e passando a enxergar as coisas com outros olhos, além de se importar mais. Desde o início senti pena dele, e isso só aumenta. Um deus que por milhares de anos teve poderes em mãos, e de repente se encontra sozinho e impotente. E Calígula é simplesmente o vilão perfeito, exatamente igual à Apolo em seus bons momentos: extravagante e egoísta. O quão irônico é Apolo precisar combater alguém igual a ele em termos de atitudes e pensamentos?

"Estou de olho na professora de história. Tenho quase certeza que ela é uma empousa. Já tive que matar meu professor de cálculo avançado, porque ele era um blemmyae."

Torcendo pra que o tio Rick libere o próximo volume logo, e que venha o crossover de nossos deuses com Magisterium! (brincadeira, mas bem que podia).

Nota: 5


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 23 anos, biomédica e autora do livro O Poder da Vingança. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Sobre mim: Letícia Proença (Leeh), estudante de Medicina Veterinária em Botucatu, até hoje não sabe como leva a graduação e a paixão por sites e livros lado a lado. Canceriana louca, gostaria de saber como aumentar as horas do dia para poder fazer tudo o que gosta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário