terça-feira, 1 de maio de 2018

Na Escuridão da Mente

Título: Na Escuridão da Mente
Título Original: A Head Full of Ghosts
Autor: Paul Tremblay
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2017
Páginas: 266
Tradução: Ananda Alves
Livro: Skoob
Sinopse:
Um dos livros mais assustadores do ano, vencedor do prêmio Bram Stoker Award. A vida dos Barrett é virada do avesso quando Marjorie, de 14 anos, começa a demonstrar sinais de esquizofrenia aguda. Depois que os médicos se mostram incapazes de deter os acessos bizarros e o declínio de sua sanidade, o lar se transforma em um circo de horrores, e a família se vê recorrendo a um padre da região. Acreditando que seja um caso de possessão demoníaca, o padre Wanderly sugere um exorcismo e entra em contato com uma produtora que está ávida para documentar tudo. Com o pai de Marjorie desempregado e as dívidas se acumulando, a família hesitantemente aceita, sem imaginar que A Possessão se tornaria um sucesso imediato. Quinze anos depois, uma autora best-seller entrevista Merry, a irmã mais nova de Marjorie. Ao se recordar dos acontecimentos de sua infância, uma narrativa alucinante de terror psicológico é desencadeada, levantando questões sobre memória e realidade, ciência e religião... e sobre a real natureza do mal.

Merry é uma garotinha de 8 anos que tem sua casa invadida por câmeras e roteiristas que irão dirigir um reality show sobre sua irmã de apenas 14 anos, Marjorie, assim como a presença de padres que farão o exorcismo de Marjorie é constante.

De início, Sarah e John, pais das duas garotas, tentam levar a filha mais velha ao médico e ao psiquiatra, crentes de que Marjorie sofria de algum transtorno mental que a fazia agir de modo diferente e ouvir coisas. Apesar das tentativas de consultas médicas e tratamentos com remédios, Marjorie não melhorava; na verdade, suas atitudes se tornavam cada vez mais grotescas. Ela tinha surtos em que se grudava à parede, falava outras línguas e em tons diabólicos. Ela admitia aos pais estar possuída, com um demônio em seu corpo, e que não aguentava mais escutar as vozes.

A família aos poucos desmoronava. Sarah e John viviam discutindo quanto ao que fazer com relação à Marjorie, e embora tentassem afastar Merry de toda a situação, a garotinha sempre vira a irmã como uma melhor amiga, e agora vê-la contando histórias absurdas e horripilantes a assustava. Merry temia não apenas a irmã, mas temia por ela.

Depois de um tempo, John resolve levar Marjorie para ver um padre, e é quando surge a proposta de um reality show que veio a ganhar o nome de A Possuída. A família estava falindo, e a ideia veio a calhar, já que além de receberem retorno financeiro, os pais achavam que enfim poderia haver uma salvação para a filha com a ajuda dos padres.

Mas no fim, não é exatamente isso o que acontece.

Estava tão escuro que parecia que não havia nada n quarto conosco. Só que o nada, na verdade, era alguma coisa, porque tomou conta dos meus olhos, dos meus pulmões e sentou-se sobre os meus ombros.

Como muitos sabem, nós da Caverna adoramos terror. Estava ansiosa para conferir a obra desde seu lançamento, e já havia lido algumas resenhas que destacam a grande questão da história: Estaria Marjorie realmente possuída ou apenas fingindo?

Eu já tinha achado essa dúvida bem interessante, já que na maioria das histórias é determinado que a pessoa está possuída e ponto. Nesse sentido, a obra se faz original, principalmente por não existir uma resposta para a pergunta. Podemos criar teorias e chegarmos à nossa própria conclusão, mas em momento algum o autor revela se havia uma força sobrenatural na casa ou se toda a loucura fora proveniente da mente perturbada de Marjorie.

A história é narrada por Merry, portanto o autor dá uma “aliviada” na tensão através de devaneios da pequena garota, que fala bastante sobre querer chamar a atenção não só dos pais, mas também do pessoal do programa, como se tudo fosse uma brincadeira divertida. Sendo tão nova, o leitor pode visualizar com facilidade o quanto tudo afetou a vida de Merry e como, por ser apenas uma criança ingênua, foi manipulada de uma forma terrível.

Embora o gênero da obra seja terror, as cenas onde tais eventos ocorrem são poucas, então eu diria que é mais um terror psicológico do que de botar medo. Ao longo das páginas, temos partes em que uma blogueira comenta sobre a série de sucesso e sobre como possuía vários aspectos de outros filmes/livros conhecidos de terror e suas semelhanças. As referências para os amantes do gênero são bem legais, e as comparações só servem para levantar novamente a questão quanto à Marjorie estar realmente possuída. E, se não estivesse, porque ela faria tudo aquilo? Com que intenção?

- Padre Wanderly, em primeiro lugar, como sabe que uma pessoa tem um espírito dentro dela? Pelo menos isso você já viu?

Uma coisa é certa: Havia muitas sombras envolvendo Marjorie. Psicológicas, sobrenaturais, não importa; existia algo ruim e maldoso nela que não tardaria a aparecer.

Ainda assim, exceto nos momentos de insanidade, Marjorie era uma adolescente normal. Reclamava, interagia com os pais, e por isso chegar a uma opinião concreta quanto à possessão é algo realmente complexo pro leitor.

Paul escreveu um livro que pode não te aterrorizar, mas certamente te deixa incomodado e com uma sensação estranha, o que nem de longe é algo negativo. E quando achamos que já acompanhamos a pior parte da história de Merry, o final chega e é sombriamente surpreendente. O tipo de livro que termina e continuamos pensando nele por dias.

Nota: 5


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 22 anos, biomédica e autora do livro O Poder da Vingança. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário