sábado, 7 de abril de 2018

A Máscara de Prata

Título: A Máscara de Prata
Título Original: The Silver Mask
Autoras: Cassandra Clare e Holly Black
Série: Magisterium - #4
Editora: Galera Record
Ano: 2017
Páginas: 240
Tradução: Rita Sussekind
Livro: Skoob
Sinopse:
A série é uma fantasia urbana, onde um universo de magia coexiste com nosso mundo. Neste quarto livro da saga, Black e Clare nos levam para além do domínio dos vivos em uma viagem em direção aos perigos da morte.
Agora Call é um dos mais temidos estudantes da história do Magisterium, conhecido como o Inimigo da Morte, o Suserano do Mal, considerado culpado pela morte do melhor amigo e estopim de uma constante ameaça de guerra. E quando ele é libertado da prisão por aliados improváveis, interessados em seu poder sobre a magia do caos, ele se vê envolto em uma trama de mentiras e intrigas, e precisa decidir o que fazer com o próprio poder.

[PODE CONTER SPOILERS]

1. O Desafio de Ferro
2. A Luva de Cobre
3. A Chave de Bronze
4. A Máscara de Prata

Depois dos eventos em A Chave de Bronze, Call está preso, longe de seus amigos, sem saber o que eles deveriam estar pensando dele.

Após longos seis meses, Call recebe a visita de seu pai e também, surpreendentemente, de Jasper, e justamente naquele dia, a prisão é incendiada e o prédio evacuado às pressas. Só que o que Call não havia percebido até estar do outro lado das grades, é que aquela comoção havia sido planejada por ninguém mais, ninguém menos que Anastasia, mãe do Inimigo da Morte, e por sua melhor amiga, Tamara.

Após um momento de choque, Call embarca com os amigos para uma casa onde esperava enfim estar seguro. Ele acreditava que Tamara nunca mais fosse querer encará-lo após o que ocorrera, mas na verdade ela estava arquitetando todo o esquema para que Call pudesse escapar.

Embora a fuga tenha corrido da maneira que Tamara havia organizado, o que não estava nos planos era Mestre Joseph, que treinara Constantine e seu irmão, surgindo na casa. Assim que ele aparece, os três amigos junto de Devastação sabem que estão encrencados. Mestre Joseph protege Call por acreditar que ele possui a alma de Constantine, e pretende provar isso da forma mais cruel e mórbida possível: Ele quer que Call trabalhe junto de Alex para ressuscitar Aaron, um feito jamais realizado por mago algum.

Enquanto Call é obrigado a trabalhar lado a lado do assassino do seu melhor amigo, Tamara e Jasper são treinados pelo Mestre Joseph durante o dia. Mesmo com o cenário terrível em que se encontram, eles não perdem as esperanças de que conseguirão fugir.

Mas será que é isso mesmo o que Call quer fazer? Ou será que, para fugir, ele quer primeiro ter Aaron de volta? Será que ele conseguiria? E se desse certo, não estaria apenas confirmando a teoria de que ele realmente era Constantine?

Jamais o aceitariam de volta à Magisterium, não agora que o causador da Guerra caminhava entre eles, então o que Call teria a perder? Aaron merecia viver. Ele era destinado a ser um herói. Mas e se ele voltasse como um caótico? E se... ele não fosse ele mesmo?



Antes de qualquer coisa, preciso dizer que esse é o MELHOR volume da série. Não sei dizer o que a torna tão especial, talvez o amadurecimento dos personagens, ou a amizade do trio que nunca pareceu tão forte antes, ou a perda que toca o leitor, mas esse foi simplesmente o volume que eu mais gostei.

A continuação é curta, com uma quantidade pequena de páginas em comparação aos demais volumes, e 90% da história se passa na casa onde Call e os amigos estão sendo mantidos aprisionados. Pelo foco das autoras ter sido unicamente naqueles eventos em especial, a impressão que temos é que elas conseguiram desenvolver com maestria a evolução dos relacionamentos e a sequência de acontecimentos. Além disso, elas escrevem tão bem e de forma parecida que mal conseguimos detectar quem escreveu que parte.

Nesse volume, temos finalmente o início de um relacionamento amoroso concreto entre Call e Tamara. Como Aaron estava junto em todos os momentos anteriores, eu particularmente nunca havia reparado se existia um romance ou não, mas com a carga emocional que os personagens enfrentam, é como se eles não quisessem esperar nem mais um segundo sequer passar, como se todo segundo fosse precioso, então é evidente o quanto os dois se gostam, mas nunca tiveram coragem de revelar.

Jasper como sempre é tanto engraçado, sagaz e sincero de uma forma excessiva que não sabemos definir se gostamos ou não do personagem. Não esperava que ele fosse ter um papel tão marcante e importante ao longo da história, então ao pouco vamos aprendendo a aceitar seu jeito.

Se Alex já fora uma decepção no volume anterior, nesse a decepção continua, se não acentua. Não consigo enxergá-lo como um vilão, só um garoto perdido e sozinho que almeja o poder como se isso fosse a solução dos seus problemas.

Call é sensacional. O amadurecimento dele ao longo da série é nítido, e nesse volume em especial eu sofri junto dele, me apaixonei com ele, e torci por ele. Todos o repugnam pela alma de Constantine, mas a personalidade de Call é o completo oposto: altruísta e solidário, batalhando até o fim pelo bem, mesmo que isso significasse acabar com sua vida.

Tamara continua como sempre inteligente e centrada, e é o farol de Call, assim como também era de Aaron. As cenas que o envolvem chegam a ser dolorosas para nós leitores.

O único personagem que senti falta de mais aparições é o pai de Call, mas é compreensível sua ausência por grande parte do livro transcorrer longe do Magisterium.

Em A Máscara de Prata, Cassandra Clare e Holly Black mostram mais uma vez o quanto são poderosas e capazes de criar uma história espetacular que surpreende e leva o leitor por uma montanha de emoções a cada volume.

Nota: 5


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 22 anos, biomédica e autora do livro O Poder da Vingança. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário