segunda-feira, 5 de março de 2018

Um de nós está mentindo

Título: Um De Nós Está Mentindo
Título Original: One of us is lying
Autora: Karen M. McManus
Editora: Galera Record
Ano: 2018
Páginas: 384
Tradução: André Gordirro
Livro: Skoob
Sinopse:
Cinco alunos entram em detenção na escola e apenas quatro saem com vida. Todos são suspeitos e cada um tem algo a esconder. Numa tarde de segunda-feira, cinco estudantes do colégio Bayview entram na sala de detenção: Bronwyn, a gênia, comprometida a estudar em Yale, nunca quebra as regras. Addy, a bela, a perfeita definição da princesa do baile de primavera. Nate, o criminoso, já em liberdade condicional por tráfico de drogas. Cooper, o atleta, astro do time de beisebol. E Simon, o pária, criador do mais famoso app de fofocas da escola. Só que Simon não consegue ir embora. Antes do fim da detenção, ele está morto. E, de acordo com os investigadores, a sua morte não foi acidental. Na segunda, ele morreu. Mas na terça, planejava postar fofocas bem quentes sobre os companheiros de detenção. O que faz os quatro serem suspeitos do seu assassinato. Ou são eles as vítimas perfeitas de um assassino que continua à solta? Todo mundo tem segredos, certo? O que realmente importa é até onde você iria para proteger os seus.

Tudo começa com uma detenção.

Brooks é o tipo de garota certinha e nerd, mas também descolada. Ela possui duas grandes amigas, e também a irmã, que é a razão de Brooks se dedicar tanto aos estudos. A irmã de Brooks é doente e faz visitas frequentes ao hospital, então Brooks automaticamente tomou o posto de irmã mais velha responsável que não dá trabalho aos pais e que também precisa de notas altas para entrar na mesma faculdade na qual sua família inteira estudou. Por isso, quando Brooks entra na sala de detenção, é um choque para os quatro membros presentes na mesma sala.

Simon é dono do famoso aplicativo chamado Falando Nisso, onde posta fofocas sobre todos do colégio. Mesmo que não fosse sua intenção, graças ao aplicativo, muitos relacionamentos chegaram ao fim, mas apesar da confusão que criava, todas as fofocas eram verdadeiras, de forma que ninguém chegou a considerar que o aplicativo fosse deletado.

Cooper é um dos grandes astros da escola, jogador de beisebol. Seu pai é o seu maior incentivador, sempre enviando olheiros para acompanhar as partidas, e chamando-o de Cooperson, como se tivesse orgulho do filho. Cooper namora com Kelly, uma das populares do colégio, e embora aparentemente sejam um casal feliz, os sentimentos reais de Cooper são outros.

Addy também é uma das populares e namora Jake. Sua mãe namora caras da idade de seu próprio namorado, e a única pessoa da família com quem Addy se sente a vontade é sua irmã, que se casou recentemente, mas vem demonstrando sinais de que seu relacionamento anda instável. Assim como o de Addy, que é manipulada por Jake e, sem mesmo perceber, vive um relacionamento abusivo. Se veste do jeito que ele quer, mantem o cabelo longo só porque ele gosta.

Nate é o badboy do colégio. Tão badboy que já foi preso e está em condicional. A maior parte dos estudantes o evita, assim como Nate também não se importa com as opiniões alheias, já que somente ele sabe o que passa em casa com o pai jogado no sofá, bêbado, e a casa caindo aos pedaços após a morte da mãe.

E o que esses 5 alunos tem em comum?

Nada além de estarem na detenção pelo mesmo motivo: Serem vistos pelo professor com celular na mão. Acontece que nenhum dos celulares eram deles.

Algumas pessoas são tóxicas demais para viver. Simplesmente são.

A coincidência é tão grande que eles param para pensar em como isso havia acontecido. Como colocaram um celular na mochila deles sem que percebessem, o que curiosamente levou todos para a detenção.

Apesar da surpresa, o professor não cai na história, acreditando ser apenas uma pegadinha dos alunos, e não que armaram para cima deles, e pede para que eles prossigam com o dever.

Pouco tempo depois, Simon diz que está com sede e que sua garrafinha de água sumiu. O professor deixa que ele pegue água, mas assim que Simon volta, ele tem um choque anafilático. Nate age rápido, procurando canetas de adrenalina, uma vez que todos sabem que Simon é alérgico a óleo de amendoim e que certamente deve carregar consigo uma caneta para casos como este, mas não há caneta em lugar algum em sua mochila, tampouco na roupa de Simon. Cooper corre para a enfermaria, mas o lugar onde ficam as canetas está vazio. Brooks vai atrás de mais professores para pedir ajuda, e Addy entra em choque, desesperada em ver Simon sufocando.

A ambulância chega rápido, mas é tarde demais.

De primeiro momento, os alunos ficam assustados com a tragédia, relembrando da cena com horror. Cada um busca pelo seu refúgio, e tentam compreender o incidente. Mas depois que a polícia começa a duvidar da existência de óleo de amendoim na água, que foi a única coisa consumida por Simon, os 4 estudantes mergulham numa investigação intensa. O mistério vai aos noticiários, e Brooks, Nate, Cooper e Addy se tornam suspeitos. A mídia cai em cima deles, perseguindo-os em suas casas, na escola, em todo canto. Alguns os defendem, outros os incriminam, mas a verdade é que Simon possuía muitos inimigos por conta do aplicativo. Simon destruiu a vida de muitas pessoas revelando seus segredos íntimos, e várias delas poderiam estar atrás de vingança.

Graças à avalanche de perguntas e o fato de os investigadores não chegarem a lugar algum, os quatro começam a se juntar para tentar relembrar juntos de detalhes daquele dia que pudessem trazer alguma resposta, e logo eles percebem que é mais do que apenas pela investigação, eles se tornaram amigos.

Mas afinal, será que alguém arquitetou tudo propositalmente, desde a detenção até a morte de Simon? Será que entraram na sala quando todos estavam distraídos? Ou será que o culpado é uma das 4 pessoas presentes na sala? Quem está mentindo?

Agora eis o dever de casa: liguem os pontos. Será que está todo mundo mancomunado ou alguém está no controle? Quem é o manipulador e quem são os marionetes?
Vou dar uma pista para vocês começarem: todo mundo está mentindo.
Valendo!

A primeira vez que vi esse livro foi no blog De repente, no último livro da Alice e já havia ficado louca de curiosidade para desvendar a história. Quando soube da publicação no Brasil, então, pirei. E quando enfim li o livro, o devorei de tão bom!

A princípio, eu imaginava que fosse ser algo do tipo O Clube dos 5, no sentido de grande parte do livro se passar na detenção, mas não. Se a detenção dura 20 páginas, é muito. Tudo é bem rápido e direto, mas bem desenvolvido e compreensível. A autora preferiu ir direto ao ponto e adorei essa sua tática.

Logo que a tragédia acontece, milhões de suposições passam na nossa cabeça. Primeiro nos detemos nos alunos, que é quem conhecemos de imediato, depois vamos para o professor e daqui a pouco pra escola inteira. Todo mundo parece suspeito.

A história é narrada pelo ponto de vista de Cooper, Nate, Brooks e Addy. Embora o mistério se mantenha firme ao longo das páginas, ao final nós concluímos que a trama vai muito além disso. Primeiramente, temos um romance que surgiu devido às circunstâncias, embora as chamas já existissem antes. Eu sou a louca dos romances, então achei super positivo a autora ter conseguido incluir essa atmosfera na história, até mesmo para não deixa-la tão pesada.

No entanto, o que eu realmente gostei foi do amadurecimento dos personagens. Todos eles, sem exceção, são submetidos a situações que os forçam a crescer. Addy foi quem mais admirei. Passou da garotinha fraca e influenciável para uma mulher de atitude e imponderada. Brooks é guerreira e mostrou ao longo das páginas como não mede esforços para ir atrás da justiça. Nate, apesar de ser o típico badboy, não é arrogante, grosseiro, nem nada disso. Ele é acostumado a ser apenas o bode expiatório, e quando pela primeira vez lhe dão atenção, se importam genuinamente com ele, ele tem dificuldades de acreditar, apesar de ser tudo o que ele mais quer. E já Cooper é dono de uma coragem imensa. Um cara extremamente bondoso com quem qualquer um simpatiza.

Mas a parte triste, a parte na qual mais pensei, é a que menos posso falar para não se tornar um spoiler. É ver como coisas ruins precisam acontecer para nos arrependermos. Como não pensamos em como nossas atitudes irão afetar o próximo. Depois de serem julgados, nossos quatro protagonistas se dão conta de como as pessoas tiram as conclusões que bem querem, sem antes ouvir o outro lado da história.

Essa é a primeira vez que tenho contato com a escrita da Karen, e posso dizer que amei e que já quero ler muitos livros dela. No entanto, devo alertar: não esperem por um mistério de dar nó na cabeça. Eu saquei lá pela metade, embora ainda não tivesse descartado algumas hipóteses. É uma obra adolescente/young adult, portanto você vai encontrar todos os elementos básicos do estilo: colégio, intrigas, traições, falsidade, e por aí vai. Ainda assim, a escrita de Karen é inteligente, de forma que não cai no clichê, nem se torna chato.

Com uma fórmula sensacional e muito bem construída, Um de nós está mentindo vai te deixar louco pra descobrir quem é o grande mentiroso.

Nota: 5


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 22 anos, biomédica e autora do livro O Poder da Vingança. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário