domingo, 10 de dezembro de 2017

It Ends With Us

Título: It Ends With Us
Autora: Colleen Hoover
Editora: Atria Books
Ano: 2016
Páginas: 386
Livro: Skoob
Sinopse:
A vida de Lily nem sempre foi fácil, mas isso não a impediu de trabalhar duro pelo que quer. Ela andou um longo caminho desde seu povoado em Maine, onde cresceu, e então se formou e mudou-se para Boston, onde começou seu próprio negócio. Então, quando ela sente uma faísca pelo belo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo na vida de Lily repentinamente parece muito bom para ser verdade. Ryle é assertivo, teimoso, talvez até mesmo arrogante. Mas ele também é sensível, brilhante, e tem um lado doce para Lily, e a forma como aparenta quando veste seu jaleco de médico certamente soma alguns pontos. Lily não pode tirá-lo da cabeça. Mas a completa aversão de Riley a relações amorosas é inquietante. Mesmo que Lily encontre a si mesma como a exceção a regra de “não sair”, ela não pode evitar se perguntar o que levou-o a isso em primeiro lugar. Enquanto as questões sobre seu novo relacionamento a dominam, o mesmo acontece com os pensamentos envolvendo Atlas Corrigan — seu primeiro amor e um laço que deixou para trás. Ele era sua alma gêmea, seu protetor. Quando Atlas repentinamente aparece, tudo o que Lily construiu com Ryle se vê ameaçado

Finalmente posso dizer que já li tudo da Colleen Hoover. Resenhei todas as suas obras aqui no blog, e com essa não seria diferente.

Prepare-se para uma história dolorosa. Assim como todas as outras, só que dessa vez, muito mais real.

Isso é o que quinze minutos pode fazer a uma pessoa. Pode destruí-la. Pode salvá-la.


Lily está tendo um péssimo dia. Estivera no funeral de seu pai, e quando fora sua vez de discursar, ela não disse nada. Absolutamente nada. Sabia que sua mãe deveria estar furiosa (ou ao menos envergonhada diante aos outros presentes), então ela preferiu passar um tempo longe de casa para não criar confusão. Lily precisava de ar, e sabia exatamente onde encontrar. De sua casa, era possível enxergar o prédio mais alto, e foi assim que ela chegou ao terraço do mesmo prédio.

Acontece que após alguns minutos, respirando fundo e colocando os pensamentos em ordem, ela escuta barulhos. Lily só queria ficar em paz, sozinha, mas parece que o homem que acabou de chegar está tão frustrado quanto ela, só que enquanto ela escondia esse sentimento, ele estava colocando-o para fora, chutando a cadeira que havia no terraço.

Pouco depois, ele nota a sua presença. Curioso, ele deixa de lado por alguns segundos o nervoso e inicia uma conversa com a garota misteriosa. Não demora para que eles comecem a desabafar, e chamam isso de “verdades nuas”. Já que sabiam que nunca mais se veriam na vida, eles contam um ao outro tudo o que está atolado em seus peitos, e dizer em voz alta tudo o que andava os corroendo promove uma sensação de alívio em ambos.

Ele conta a Lily que se chama Riley e que é um neurocirurgião. Ele havia acabado de retornar de uma cirurgia onde um menino atirou sem querer no irmão, que infelizmente falecera. Lily, por sua vez, admite que não disse nada no enterro do pai porque não haviam coisas boas a dizer a seu respeito, e conta também que foi pega na cama com um garoto de rua, o que manchou toda a reputação da família.

Entre várias verdades nuas, a personalidade e o passado dos personagens vão sendo formados. Ao mesmo tempo em que eles vão se conhecendo, nós os conhecemos pela primeira vez.

Depois de tantos segredos trocados, fica claro que existe uma certa química entre os dois. Eles também sentem, e Riley é quem dá o primeiro passo, pedindo uma noite a Lily. Acontece que ela não é assim. Lily não gosta de ser apenas mais uma. Se é para ir pra cama com alguém, ela quer estar envolvida com a pessoa. E Riley, por sua vez, nunca teve uma namorada e nem pretende ter. Os dois possuem visões muito diferentes se tratando de relacionamentos, então é óbvio que não daria certo, por mais que a faísca entre eles fosse palpável.

Seis meses depois, Lily conseguiu abrir sua tão sonhada floricultura e contratou uma moça super simpática chamada Alyssa para ser sua ajudante. E qual é a sua surpresa quando ela descobre que Alyssa é irmã de Riley?

Lily tenta, mas é impossível ficar longe de Riley, ainda mais quando Alyssa acaba se tornando praticamente sua melhor amiga. Vagarosamente, ela se vê apaixonada por Riley, e o inesperado é vê-lo se apaixonando e levantando a possibilidade de eles terem um futuro juntos. Era tudo o que Lily mais queria.

Talvez o amor não seja algo que vem em um círculo completo. Ele só flui e reflui, dentro e fora, assim como as pessoas em nossas vidas.


Em certos momentos no decorrer da história, principalmente nos que as coisas não vão muito bem, Lily pega o seu diário para ler. Ela começou a escrevê-lo aos 15 anos, logo na época em que conheceu Atlas, o garoto de rua. Uma das pessoas que ela mais admirava era a Ellen DeGeneres e seu programa de televisão, então ela escrevia no diário como se estivesse redigindo uma carta para ela, contando sobre o seu dia.

Atlas um dia apareceu na casa abandonada ao lado da sua. Ela não compreendia o porquê, nem como ele sobrevivia ali, mas claramente não possuía comida nem eletricidade, pois usava sempre as mesmas roupas e fedia. Todo o mistério acerca do motivo de um garoto tão jovem estar morando sozinho e numa condição precária a deixava curiosa, e Lily foi a única que se dispôs a levar comida a ele. Atlas agradeceu, e passou a se sentar ao seu lado no ônibus para a escola. Até que Lily se sentiu confortável o suficiente para perguntar se ele queria tomar um banho em sua casa, e ele não teve como recusar a oferta. Disso, surgiu uma bela amizade. Atlas passava as tardes na casa de Lily, assistindo o programa da Ellen DeGeneres com ela e assando cookies enquanto os pais de Lily não chegavam do trabalho. Depois, escapava pela porta dos fundos e voltava para a sua solidão.

Mas ele não estava mais sozinho. Graças à Lily, ele reencontrou a esperança e um motivo para viver. Um dia, Lily o encontrou vomitando e com febre. O tempo lá fora estava congelante, e Lily não se conformava em deixa-lo passando mal no frio, então o trouxe para seu quarto e trancou a porta. Mesmo depois que Atlas se curou, ele continuava passando as noites em seu quarto, até que a proximidade entre eles se tornou algo a mais. Lily desejava aquele garoto de grande coração e olhos azuis, assim como Atlas desejava a garota que salvou a sua vida. Era mais do que gratidão. Ele realmente a amava.

No entanto, o destino não permitiu um final feliz a eles. Atlas seguiu para Boston, e Lily eventualmente também foi para lá, o lugar onde Atlas dizia que tudo era melhor. Por mais que Atlas tivesse prometido que a procuraria, ele nunca cumpriu a palavra, e Lily não retornou a vê-lo.

Até o dia em que foi com Riley, Alyssa e seu marido até um restaurante. Lá estava Atlas. O seu primeiro amor.

Na hora, Lily não faz ideia, mas esse encontro desencadeará uma cadeia de eventos que provarão quem, infelizmente, seu namorado realmente é.

Ryle olha para mim com uma expressão pensativa. "Lily" diz ele, incisivamente. "Não existe essa coisa de pessoas ruins. Nós todos somos apenas pessoas que às vezes fazem coisas ruins."

Essa história não trata de um triângulo amoroso. O presente é com Riley e o passado é com Atlas. Ela ama os dois, é claro. O ser humano possui espaço suficiente no coração para ser capaz de amar mais de uma pessoa. E, acima disso, ela ama Atlas por tudo o que ele significou um dia pra ela. Ela ama os momentos que compartilharam juntos, e isso é natural. Existem pessoas que marcam nossas vidas. Imagino que todo mundo tenha um ex-namorado do qual nunca esqueceu. Um presente que guardou de recordação, uma foto dos velhos tempos.

Lily guardava os diários e o botom de Boston que recebera de presente de Atlas. Aquilo era parte do que ela viveu. Era parte dela, de quem ela era. Riley deveria entender isso. E esse é o momento em que toda a imagem que possuímos dele é desconstruída.

Riley é um cara temperamental que perde o controle por completo quando sente raiva. Ele não mede suas ações nem as consequências. Ele não dá chance a Lily de se explicar e já a trata com agressividade. Sim, pessoal, estamos falando de violência doméstica. Estamos falando das pessoas que permanecem numa relação infeliz e se submetem a abusos consecutivos, dizendo a si mesmas que a pessoa amada não é tão ruim assim, que a pessoa irá mudar.

Lily jamais chegou perto de Atlas. Quando se viram no restaurante, trocaram poucas palavras e acabou por aí. Lily nem voltou a pensar nele, já que estava feliz por ele ter crescido profissionalmente e também porque ela estava realizada ao lado de Riley.

No entanto, Riley encontrou o diário e outros vestígios que interpretou como se Lily o estivesse traindo, como se ainda visse Atlas, e surtou por mais de uma vez. Foi triste ver no que Riley se tornou, profundamente triste. Um homem carinhoso e atencioso transformado por completo num animal sem escrúpulos. Um animal que não se importou se suas ações machucariam a suposta amada, muito menos se preocupou em ouvir o seu lado da história.

É doloroso ver o abuso. É doloroso ver Lily lutando contra sua consciência. Seu pai fora abusivo. Ela já passara por isso antes e sabe o quanto julgou a mãe por não sair da situação. Ela sabe o que deve fazer. Mas para nós, que vemos de fora, é muito mais fácil de tomar a decisão do que ela que a está vivendo e que ainda recorda de como Riley também pode ser bom. Lá no fundo, ela sabe que as desculpas dele não bastam.

Apesar do ressentimento que eu construí no meu coração por ele, isso não significa que as emoções não estão mais lá. Só porque alguém te machuca não significa que você pode simplesmente deixar de amá-la. Não são as ações de uma pessoa que ferem mais. É o amor. Se não houvesse amor anexado à ação, a dor seria um pouco mais fácil de suportar.


Acho que esse foi o livro mais difícil de ler da Colleen. A realidade vivida por Lily reflete a realidade de muitas mulheres no mesmo lugar. No final, Colleen relata em quem se inspirou para construir a história, e depois de tudo o que ela transcorreu nas páginas, nós ficamos com o coração apertado em ver que alguém tão próximo a ela sofreu nas mãos de alguém que tanto amou.

Eu sofri com a Lily e sofri por ela. Quis abraça-la e arrancá-la das garras do mal. Quis dizer a ela para ser forte, porque ela merecia muito mais do que estava recebendo. E o discurso final... Confesso que chorei. Por tudo que eles viveram juntos, por tudo o que poderiam ter sido se ele não tivesse escolhido um caminho tão ruim a seguir.

O nome do livro, Isso Termina Com Nós, faz todo o sentido. É bonito e possui um significado enorme. Colleen mais uma vez surpreende e embala o leitor em emoções, trazendo uma lição por trás de toda a história de sofrimento e superação.

Será que Lily vai conseguir ter um final feliz depois de tanta tragédia? Você vai ter que descobrir lendo, mas eu espero muito mesmo que todas as mulheres que estejam numa relação parecida com a dela encontrem a sua própria maneira de conseguir sair dela. Esse tipo de amor não é saudável, nunca será.

A editora Galera Record deu um presente de Natal para todos nós, lançando nesse mês de dezembro o livro, chamado de É assim que acaba. A capa foi mantida, e a tradução também combinou. O livro é maravilhoso, ao mesmo tempo que incômodo, e merece ser lido!

Nota: 4


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 22 anos, biomédica e autora do livro O Poder da Vingança. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário