terça-feira, 18 de julho de 2017

Catacomb

Título: Catacomb
Título Original: Catacomb
Autora: Madeleine Roux
Série: Asylum - #3
Editora: Plataforma21
Ano: 2016
Páginas: 356
Livro: Skoob
Sinopse:
O último ano de colégio enfim chegou. Depois de tanto tempo juntos, Dan, Abby e Jordan resolvem fazer uma viagem e o destino escolhido é a casa do tio de Jordan em New Orleans.
Abby está muito ansioso e entusiasmado para a aventura, pois a viagem irá ajudá-lo no projeto fotográfico de locais e monumentos históricos. Mas toda essa euforia diminui quando, no caminho, os três amigos percebem que estão sendo seguidos. E ainda começam a receber mensagens misteriosas, pelo celular de Dan, de um amigo que morreu no último Halloween.
Os três amigos vasculham pistas sobre acontecimentos do passado para obter respostas sobre as tais mensagens, sobre um fotógrafo não identificado e sobre a história familiar de Dan.
Neste incrível episódio da série Asylum, a única esperança que resta é sair vivo desta viagem.

- RESENHA LIVRE DE SPOILERS –

Livro 1 - Asylum
Livro 1,5 - Scarlets
Livro 2 - Sanctum
Livro 2,5 - Artistas dos Ossos
Livro 3 - Catacomb

Não exagere na alegria nem no orgulho
Não abuse da sorte, não faça muito barulho
Os Artistas dos Ossos roubam e então desaparecem.

O último ano de colégio chegou e Dan, Abby e Jordan combinam de passarem um tempo juntos antes de cada um seguir seu caminho. Jordan está se mudando para a casa do tio Steve em New Orleans, onde irá cursar a faculdade. Dan e Abby embarcam junto na viagem de horas, esperançosos. Finalmente eles teriam paz e poderiam se divertir de verdade.

Logo no primeiro dia de estrada, Dan recebe uma mensagem no facebook que o apavora. A mensagem escrita de forma desordenada veio de ninguém mais, ninguém menos, que um amigo de New Hampshire que morrera brutalmente. Dan presenciou sua morte, não era possível que aquilo fosse real, a menos que o perfil do garoto tivesse sido hackeado. Ele tenta ignorar, mas as mensagens continuam, persistentes, principalmente nos momentos em que eles correm perigo, os alertando.

A viagem se estende por dias quando os amigos concordam em fazer alguns desvios por dois motivos. Um por Abby, que os convence a visitar certos monumentos históricos para fotografar e colocar no projeto que está montando, e por Dan, que encontra pistas sobre o paradeiro de seus pais biológicos nos documentos que resgatou da mesa da professora, antes do incêndio.

No decorrer de suas pesquisas, entre escolas abandonadas, bibliotecas e cemitérios, os três descobrem estarem sendo perseguidos por um motoqueiro. Sempre que Dan ouve os clics de fotos e tenta alcançá-lo, ele(a) consegue fugir.

– É assim que começa – cochichou Jordan, se inclinando para mais perto de Dan. Abby o ignorou. – Primeiro foi aquele mecânico. Depois sempre aparece um matuto meio lesado com risada de zurro de jumento, e aí todo mundo dentro do cinema começa a gritar: Caiam fora! Caiam fora daí! Onde é que vocês estão com a cabeça?

Chegando em New Orleans, eles pensam que enfim poderão respirar, mas a realidade está muito longe disso. Dan reconhece uma caminhonete que também parecia estar no pé deles e não deixa a chance escapar, assim conhecendo Oliver e Sabrina, que assumem estar de olho no trio por um motivo bem intrigante: Oliver é amigo do garoto falecido e também está recebendo mensagens dele. As mensagens diziam para Oliver encontrar Dan. Após uma conversa, eles acreditam que o intuito do encontro fosse para contar sobre a morte à Oliver, que ainda não sabia. Dias depois, Oliver encontra uma caixa com fotos dos pais de Dan, o que indica que o pai de Oliver os conhecia. E mesmo Abby e Jordan claramente não confiando em Oliver e suas histórias sobre os Artistas de Ossos, não há como negar que existe uma conexão.

Todos os segredos e a operação suja acobertada na catacumba há de vir a tona, e Dan, uma peça solta no jogo, vai precisar de seus amigos mais do que nunca.


Catacomb é o terceiro e último (acredito) volume da série Asylum. Asylum foi uma introdução surpreendente, carregada de um toque palpável de terror. Sanctum, em comparação, foi mais morno, mas contou com personagens secundários importantes, alguns carismáticos, outros repugnantes, que construíram um mistério inteligente. É de se esperar que Catacomb seja o grand finale, o melhor de todos os volumes, mas infelizmente não é. O mais interessante de Catacomb é a sua ambientação. Enquanto os volumes anteriores foram focados num local específico, neste, temos o suspense distribuído em partes iguais para cada local que eles visitam. A escola abandonada, a biblioteca, o cemitério, a loja de Oliver, a funerária, e também a própria cidade. Tenho um carinho por New Orleans pois é onde se passa a série The Originals, e o livro apresenta bem o jeitinho que ela é, movimentada, repleta de turistas, música e arte. Gostei das fotografias do livro, a maioria macabra, mas o que incomoda e bastante é que algumas fotos foram colocadas sem ligação com o que estava acontecendo no momento, simplesmente soltaram ela lá, sem explicações. E também vi umas duas fotos repetidas. Não sei se foi intenção, ou falta de atenção da autora ou da edição.

Quanto à história, o foco maior é nos pais biológicos de Dan e nos Artistas de Ossos que, aliás, eu gostei bastante! São enigmáticos e traçam uma teoria curiosa a respeito do poder dos ossos.


Enquanto Dan tem toda sua atenção voltada aos problemas que está envolvido, Abby e Jordan são os responsáveis por deixar a história leve, diminuindo a tensão com piadinhas, tentando distrair Dan e o ajudando quando possível, só que eles também são humanos, e depois de tanta barra que passaram às custas de Dan, eles passam a temer o que está por vir, até porque dali em diante New Orleans seria a nova casa de Jordan, e ele não podia se meter em encrenca por Dan.

Nesse volume, todas as dúvidas são respondidas e explicadas, sem pontas soltas, tendo um desfecho merecido. Brookline, New Hampshire, New Orleans, o diretor Crawford, seus pais biológicos, tudo está interligado de alguma forma. Apesar das fotografias, o livro acaba não sendo de terror, por mais que a autora tente. Adorei todo o caminho que ela traçou desde o primeiro volume até o quebra-cabeça se juntar, mesmo esperando um pouquinho mais do final. Um capítulo sem fantasmas do passado pro trio, quem sabe. Mas está tudo subentendido, então é válido. Uma trilogia que apesar dos tropeços, indico por sua edição maravilhosa, leitura fácil e história marcante.

– Bom, depois de tudo o que aconteceu no último ano, eu entendo o seu nervosismo, mas a gente fez por merecer um pouco de tranquilidade – ela falou. – Um pouco de vida normal.
– Não fala isso. De jeito nenhum! Isso é um ímã para atrair azar.

Nota: 4


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 22 anos, biomédica. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário