sábado, 28 de janeiro de 2017

Séries #015


Beyond: Série com a primeira temporada completa estreada no dia 2 de janeiro de 2017 pelo canal Freeform. É possível conferir os episódios no site deles. Beyond foi amor à primeira vista. Olhei o pôster e soube que iria amar, e não deu noutra. Beyond conta a história de Holden Matthews, que acorda doze anos depois do coma. No episódio piloto é apresentado Holden ainda jovem, antes do acidente, e a desorientação dele após acordar. O evento é um milagre, e a notícia se espalha pelos jornais, tornando-o famoso. Seus pais e seu irmão o acolhem de braços abertos, tentando atualizá-lo quanto ao novo mundo, já que em doze anos muitas coisas mudaram. Mas essa não é a preocupação de Holden, no entanto. Todas as noites ele tem pesadelos e acorda na mata onde o acidente aconteceu. Ele também tem alucinações com um homem em chamas que pede para que ele se lembre. Mas se lembrar do que? É quando Willa também aparece, dizendo que o conhece, que inclusive viveram juntos. O que diabos estava acontecendo? Holden estava sonhando? Será que ele viveu em outro lugar durante o coma? A principio ele fica confuso e se recusa a confiar em Willa, mas quando seus poderes aparecem, ele se vê assustado e sem opções, principalmente quando descobre estar sendo perseguido. De repente, Holden se vê no meio de uma guerra pela sobrevivência e auto-descobrimento sobre seu passado e o perigo que seus poderes representam. Já aviso: Essa não é uma história de super-herói. Beyond é uma trama que envolve fantasia e mundos paralelos. O interessante é que o mistério permanece forte até o último episódio. O que será que querem com ele, afinal? A primeira temporada é viciante, muito bem feita, e mal vejo a hora de sair a segunda!


A Serie of Unfortunate Events: Violet, Klaus e Sunny perdem os pais para um incêndio quando jovens. Agora órfãos, eles são designados a um parente próximo (embora eles nunca tenham ouvido falar sobre ele), que se tornará seu tutor. Mas na verdade, o Conde Olaf, o tutor, não tem nada de parentesco, e seu único interesse está na fortuna das crianças, que só poderá ser retirada após Violet, a mais velha, completar 18 anos. Seus planos malignos sobre as crianças leva a uma série de desventuras. A história de Violet, Klaus e Sunny não é feliz. O horror os persegue, e por horror, eu quero dizer Conde Olaf. Ele não os deixará em paz. Acredito que todo mundo já tenha assistido ao filme, certo? Existe a série de livros também, e a série do Netflix foi adaptada deles. Não li os livros, mas creio que tenha ficado fiel, pois até mesmo o nome dos episódios é igual aos dos volumes. Honestamente, minhas expectativas com a série não estavam altas, já que nunca morri de paixão pela história. Ainda assim, resolvi assistir e, me perdoem, mas não consegui passar do episódio 4, e isso após insistir muito em ver. O Conde Olaf é sem graça, mas exerce bem sua função de provocar raiva. Não me diverti nem um pouco com a série, só consegui sentir ódio por aquele cara e pelos adultos bestas. As crianças de fato são a melhor parte, atuando incrivelmente bem. Até a bebezinha é uma fofura. A série tem recebido bastante elogios, mas infelizmente, pra mim não rolou. Achei tudo excessivamente fantasioso e até maçante.


Chicago Med: Chicago Med é um spin-off de Chicago Fire, criado por Matt Olmstead e pelo famoso Dick Wolf. A série nada mais é do que a rotina dos funcionários do hospital de Chicago. Não é um House da vida, mas os episódios são incríveis, e mexem bastante tanto com o emocional dos personagens, como com o nosso. É comovente acompanhá-los tentando salvar vidas, e os obstáculos que vão surgindo. Além da relação com os pacientes, também temos um pouco da vida de cada funcionário principal da série, e a relação entre eles. Gosto muito de todos, com exceção de um ou outro em particular. Confesso que comecei a assistir só por causa do Colin Donnel, que interpretava o Tommy em Arrow. Também temos participação de Torrey DeVitto, que interpreta Melissa Hastings em Pretty Little Liars, e Oliver Platt, que já vi presente em muitos filmes. Cada um dos personagens tem uma história, uma personalidade marcante, e também temos às vezes participações de personagens de Chicago Fire e Chicago P.D. Considero Chicago Med uma das melhores séries médicas atuais. Está na segunda temporada no momento.


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 21 anos, biomédica. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário