terça-feira, 10 de maio de 2016

As Crônicas de Della Tsang

Título: As Crônicas de Della Tsang
Título Original: Turned at Dawn e Saved at Sunrise
Autora: C. C. Hunter
Série: Saga Acampamento Shadow Falls – Ao Anoitecer
Editora: Jangada
Ano: 2014
Páginas: 144
Tradução: Denise de C. Rocha Delela
Livro: Skoob
Sinopse:
Esta é uma introdução à história de Della Tsang, uma das melhores amigas sobrenaturais de Kylie. Independente e destemida, Della não acredita em fantasmas até que vê seu falecido primo atravessando um beco escuro. Ela também não acredita em vampiros, até que se transforma em um deles! Agora Shadow Falls está enfrentando um problema que pode finalmente expor os sobrenaturais ao resto do mundo! Seres humanos estão sendo assassinados e vampiros criminosos podem ser os culpados. Della é então designada para ajudar a encontrar os responsáveis pelos assassinatos, junto com Steve, um metaformo supergato, e que ela acha atraente demais para ser confiável. Mas ela precisará de sua ajuda, pois se tiver êxito em sua missão, Della talvez até consiga o emprego dos seus sonhos: trabalhar para a UPF o FBI do governo sobrenatural.

Em parceria com a editora Jangada, recebi esse livrinho contendo 2 contos introdutórios da Della e o primeiro volume da trilogia dedicada a ela. Della é uma das melhores amigas de Kylie, personagem principal da série Acampamento Shadow Falls. Apesar de ser curto e bem direto, vou dividir a resenha nos dois contos para explicá-los melhor.

Transformada na Calada da Noite conta como Della se tornou vampira. Ela havia acabado de sair de uma festa e esperava seu namorado, Lee, vir encontrá-la para passarem o resto da noite juntos. Enquanto isso, Della vê um rapaz bem parecido com seu primo. Até mesmo a cicatriz que ela lhe dera de presente estava lá. O único problema é que seu primo, Chan, estava morto. Curiosa e um tanto inconformada, Della o segue para se certificar de que ainda não está louca vendo fantasmas, só que algo ainda pior acontece. Chan é real e a salva de um ataque de lobisomens. Como se a surpresa não fosse o suficiente, Della tem uma ferida aberta sangrando e toca no primo, sem saber o quanto isso pesaria no resto de sua vida. Della é uma portadora, e agora carrega o vírus. Ela é uma vampira, assim como seu primo. O conto se foca na transformação de Della e no processo de acreditação dela. Teimosa como é, ela resiste em aceitar a nova realidade, e só cede quando percebe o distanciamento da própria família. No hospital, dois seres sobrenaturais indicam para ela o acampamento Shadow Falls, um local onde Della terá a chance de descobrir mais sobre si mesma, suas habilidades, e a sobreviver. Gostei bastante do conto, apresentou nossa personagem principal com objetividade. Ainda não saquei direito a história de ser portadora do vírus, mas imagino que no livro isso seja explicado.

Salva ao Nascer do Sol: Della já está habituada a sua nova vida, além de ter feito amizades. Um dia, ela é enviada numa missão junto de Steve, um metamorfo que parece estar lá somente para protegê-la. Por ser independente, ela recusa qualquer proteção vinda dele, e cisma com o garoto do início ao fim. No caminho, apesar da imagem de forte e poderosa, Della se vê admirando Steve e admitindo mentalmente que sua ajuda até que veio a calhar. O conto é leve, com algumas cenas de ação, e nele conhecemos mais a personalidade de Della, o quão cabeça dura e divertida ela é, assim como Steve, persistente e carinhoso. Só que Della carrega muita mágoa de Lee e de sua família para se permitir se entregar novamente, então ver o desenvolvimento da relação entre eles é bonito.

Resumindo, são dois contos bem satisfatórios que abrem nossa mente para o que devemos esperar encontrar no acampamento Shadow Falls, assim como uma baita duma curiosidade!

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 21 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário