quarta-feira, 2 de março de 2016

Ligeiramente Maliciosos

Nome: Ligeiramente Maliciosos
Título Original: Slightly Wicked
Autora: Mary Balogh
Série: Os Bedwyns - #2
Editora: Arqueiro
Livro: Skoob
Sinopse:
Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima. Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel. A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor. Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith. Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?

Judith Law estava a caminho pra morar com sua tia por conta de uma troca de favores com o pai, quando a diligência em que viajava desabou na lama. A fim de ser solidária e ajudar, ela se dispôs a atender os machucados das pessoas que estavam viajando junto, recitando palavras tranquilizantes. E como eles estavam distante de qualquer cidade, e sem ter como prosseguir, não havia outra escolha além de esperar. E eis então que um cavaleiro surge cavalgando e oferece ajuda. Seu nome é Ralf Bedard, e anuncia que pode levar apenas uma pessoa para o refúgio mais próximo, e lá tentar encontrar ajuda ou mandar outra diligência até o local.

E o que Ralf sugere? Levar Judith, lógico! Com tantos acidentados e precisando de abrigo, porque não levar justamente a mulher que menos parece comovida com a situação? Sério gente, eu juro que não acreditei no que estava lendo. Se ela estivesse sozinha, ok, mas tem como forçar uma relação mais do que isso??? E ela ainda vai de bom grado, resolvendo de uma hora pra outra ser ousada enquanto passou a vida toda se comportando aos olhos do pai pastor. E nem preciso comentar a atração imediata e da noite esplendida que passaram juntos, fingindo serem outras pessoas (inclusive mudando o nome), certo? E sim, isso me irritou! Em pouquíssimas páginas isso tudo já acontece, não dá nem pra se envolver, foi tão repentino que te deixa com cara de interrogação.

Depois disso, Ralf propõe acompanhá-la até onde devia chegar, para poderem ter mais tempo juntos, mas Judith o enrola e acaba fugindo. Ela queria só uma aventura, não que ele descobrisse quem ela realmente era; a parente que ia servir quase como uma criada na casa dos tios. E é exatamente isso que acontece. Todos ali a menosprezam, ela é obrigada a usar vestidos que tiram toda sua beleza, e sua única satisfação é ajudar a avó, que é super doce. Julianne Effingham, a prima de Judith, vem recebendo vários pretendentes, e qual é a surpresa quando ela se depara justamente com Ralf no meio da sala de estar? Além de que, por acaso, ele também mentira seu nome. Ele era, na verdade, Rannulf Bedwyn, o neto da vizinha dos Effingham’s. O choque é imediato, mas ambos são adultos e sabem que devem se portar, e mesmo nas conversas que seguem quando se encontram, Judith volta a afirmar que fora apenas uma aventura, e nada além disso. Mas será que essa é a verdade? Será que Rannulf não sente mais que apenas desejo por aquela moça misteriosa? Será que Judith irá suportar vê-lo cortejando sua prima, sem ter o coração partido?

Até que eu gostei do desenrolar em si. Tem bem menos cenas sensuais do que eu esperava, e os dois agem de forma madura, sem se entregar à atração com facilidade. Ainda assim esse volume não chega nem aos pés do primeiro. Eu estava tão ansiosa pra esse livro chegar, já que tinha me apaixonado completamente pelo anterior, então foi uma grande decepção quando não consegui me apegar nem um pouco à obra. Os parentes dela são mesquinhos, e o casal não tem nenhuma particularidade que te faça acreditar no amor deles e torcer. Simplesmente vamos levando com a barriga, procurando onde estava a magia toda que havia no primeiro volume, chamado Ligeiramente Casados.

A boa notícia é que o 3° volume compensa sendo uma história incrivelmente encantadora. Já li, e em breve teremos resenha por aqui!

Nota: 3

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário