sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

O Lado Feio do Amor

Título: O Lado Feio do Amor
Título Original: Ugly Love
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Ano: 2015
Páginas: 336
Livro: Skoob
Sinopse:
Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo... apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor.O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

Existem autores que podem ser caracterizados por uma única palavra. Rick Riodan por mitologia, Cassandra Clare por fantasia, George R. R. Martin por mortes, e Colleen Hoover por dor.

Quando li Um Caso Perdido eu não dei nada pro livro e acabei me surpreendendo. Com “O lado feio do amor” não foi diferente; a sinopse parecia bem simples, comecei a ler lá pelas 22h, e quando fui ver eram 3h30 e o livro acabando e eu chorando, chorando. Acho que depois dessa vou até ler os outros livros dela porque falou em sofrência, tô dentro!

Tate Collins está fazendo faculdade de enfermagem e arruma um estágio na área, mas pra isso precisa se mudar pro apartamento do irmão que é piloto. No dia da mudança ele está trabalhando, e Tate se encontra num impasse ao se deparar com um homem caído na frente da porta do apartamento, claramente bêbado. Seria fácil deixá-lo ali largado, mas ela acaba descobrindo que o homem é amigo de Corbin, seu irmão, e por isso se vê obrigada a ajudá-lo e o carrega para dentro de casa. Ele parece devastado, e não só pela bebida, principalmente quando começa a chorar sentido e chamar pelo nome de Rachel.

Embora Tate fique curiosa, ela não faz perguntas já que aquilo não era problema dela e logo Corbin chegaria em casa, mas é bem difícil manter a mente sã quando Miles, o tal cara estonteante, aparece na porta de seu quarto no dia seguinte exigindo saber o que aconteceu na noite anterior. Miles tem um olhar duro típico de quem esconde uma montanha de segredos por trás dele, e Tate não se intimida, desafiando-o. Só após concordarem que era melhor recomeçarem e se apresentarem de forma devida, é que Tate se dá conta do jogo perigoso em que está entrando. Principalmente quando após semanas de convivência Miles admite não estar com ninguém há 6 anos, e eles entram num acordo do famoso sexo sem compromisso, já que ambos estão perdidamente atraídos um pelo outro.
– Você se preocupa muito - eu digo com um sorriso forçado. - Ajudaria se nós tivéssemos regras?
Ele me estuda em silêncio antes de se afastar.
– Pode ser - ele diz. - Eu só consigo pensar em duas agora.
– Quais são elas?
Seus olhos focam nos meus por alguns segundos.
– Não pergunte sobre o meu passado - ele diz firmemente. - E nunca espere um futuro.

Que ótimo, não é? De início Tate aceita, não vendo problema algum já que também não desejava relacionamentos sérios, mas ela se vê mergulhando cada vez mais em Miles e sabendo que aquilo não ia terminar nada bem. Sempre que ela tentava tirar algo de sua infância ou de um passado remoto, Miles se fechava completamente. Isso a deixava com poucas opções do que falar, contando também que Miles era de poucas palavras, mas da maneira única deles eles conseguiam ir criando um elo cada vez maior, por mais que tentassem negar.

A história é intercalada entre o ponto de vista de Tate e Miles, onde Tate conta os dias atuais e Miles nos mostra o que aconteceu seis anos atrás, o motivo que não o permite amar mais ninguém, a dor profunda e arrasadora que ele sentiu e carregou durante todos os anos que seguiram do lado mais feio do amor que ele provou.

E então vamos para a parte que incomoda um pouco. Miles acha que é o dono da maior dor do mundo, que não merece ser feliz novamente, mas ao mesmo tempo é egoísta e hipócrita o suficiente pra manter Tate ao seu lado, usando-a somente para o sexo, ainda que soubesse o quanto aquilo a magoava. No meu ver, alguém que carrega uma dor tão forte, devia parar imediatamente ao ver que está machucando os sentimentos do outro, porque sério, se você sente isso, como pode deixar que o outro sinta o mesmo? E Tate, então, é perdidamente apaixonada por Miles, e se deixa ser usada cada vez mais, sem se importar com o amor próprio, sem pensar que ela merecia mais do que isso, só indo atrás das migalhas que Miles deixava visível pra ela. Por muitas vezes tive vontade de estapear a Tate porque nada daquilo valia a pena, se tornar tão vulnerável e disponível assim pra uma pessoa que evidentemente a amava, mas preferia usá-la ao pensar só em si mesmo ao invés de admitir o que sentia e abrir mão do orgulho.

Mas o que nos faz não desistir do livro e na verdade ir cada vez mais adiante é justamente as cenas mais quentes. É ali que eles se deixam entregar um ao outro e param de esconder o que de fato sentem. É pelo olhar e toda a emoção envolvida no momento. A autora consegue administrar a história de uma forma que quando os personagens choram, nós choramos juntos. Quando eles hesitam, persistem, engolem o amor não assumido, nós acompanhamos tudo junto como se estivéssemos em seu lugar. Tinha hora que eu já nem sabia porque estava tão emocionada, acho que tá na hora de parar com esses livros que só me fazem virar manteiga derretida hahaha.

E apesar de tudo, é uma história linda. Sobre como nosso passado pode ser destruidor, sobre como nossa dor pode ser tão grande que somente uma pessoa muito disposta e que não esteja inclinada a desistir é capaz de alcançar nossa alma e dividir essa dor conosco, e sobre como o amor pode ser ao mesmo tempo tão belo e tão feio.
O amor nem sempre é bonito, Tate. Algumas vezes você gasta todo o seu tempo esperando que finalmente algo seja diferente. Algo melhor. Então, antes que você saiba que está de volta ao primeiro quadrado, você perdeu seu coração em algum lugar do caminho.

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 20 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário