quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

A 5ª Onda

Título: A 5ª Onda
Título Original: The Fifith Wave
Autor: Rick Yancey
Série: Quinta Onda - #1
Editora: Fundamento
Ano: 2013
Páginas: 368
Livro: Skoob
Sinopse:
Depois da primeira onda, só restou a escuridão. Depois da segunda onda, somente os que tiveram sorte sobreviveram. Depois da terceira onda, somente os que não tiveram sorte sobreviveram. Depois da quarta onda, só há uma regra: não confie em ninguém. Agora inicia-se A QUINTA ONDA. No alvorecer da quinta onda, em um trecho isolado da rodovia, Cassie foge deles. Os seres que parecem humanos, que andam pelo campo matando qualquer um. Que dispersaram os últimos sobreviventes da Terra. Cassie acredita que, estar sozinho é estar vivo, até que conhece Evan Walker. Sedutor e misterioso, Evan Walker pode ser a única esperança de Cassie para resgatar seu irmão — ou até a si mesma. Mas Cassie deve escolher entre a esperança e o desespero, entre a rebeldia e a entrega, entre a vida e a morte. Entre desistir ou contra atacar.

Sabe a ideia que temos sobre alienígenas? Esqueçam. Eles são muito mais aterrorizantes e próximos de nós.

Correr = morrer. Ficar = morrer. É mais ou menos esse o tema dessa festa.

Tudo começou pela primeira onda. A energia acabou, aviões caíam do céu, toda a tecnologia em extinção. Depois, veio a segunda onda com seus desastres de tsunamis, furacões, deslizamentos. Então a terceira onda se apossou do resto da população com um vírus devastador, sobrevivendo somente os imunes à doença. A quarta onda era perigosa. Os Outros se pareciam com nós, seres humanos. A confiança foi quebrada. Quem era humano? Quem não era? Tudo se resumia à guerra. Mas eles não estavam esperando por uma quinta onda.

Cassie perdeu a mãe para o vírus, e viajou com o pai e Sam, seu irmão, para um abrigo de refugiados. Lá, todos eram imunes e rezavam para que o governo viesse buscá-lo, para que erradicassem a praga que invadiu o mundo.

O mais próximo de uma salvação é a chegada de um ônibus escolar. No entanto, só é permitida a entrada de crianças. Os soldados alegam que vão os encaminhar para um local totalmente seguro e, depois, virão para buscar os adultos.

A 4ª Onda nos obriga à solidão. Somos minoria, enlouquecemos lentamente devido ao isolamento, ao medo e à terrível expectativa pelo inevitável.

E dessa forma, Cassie perde o pai e todo o resto do abrigo. Os soldados não eram quem diziam ser. A sorte dela foi conseguir fugir, mas e agora? Para onde ir, completamente sozinha? Ela sabia atirar e se esconder. E precisava de Sam. Precisava resgatar o irmão. Então Cassie passa dias na mata, com o ursinho dele, arquitetando um plano, se empertigando pelas árvores, indo atrás de comida e água, sobrevivendo. Até que ela conhece Evan Walker.

O livro é dividido em partes e capítulos. Cada parte é intercalada a narração. Uma hora é Cassie, outra é Sam, outra é Evan, e outra é Ben Parrish, o amor platônico de Cassie do colégio que é resgatado e quase forçado a se tornar um soldado, onde também conhecemos o seu esquadrão.

A 5ª onda é diferente do que eu imaginava. Não espere por ação desenfreada ou eventos assustadores, já que estamos falando de alienígenas. O livro é um pouco longo, mas porque o autor escreve com calma, sem pressa, pra que compreendamos os pensamentos dos personagens, pra que nos apresente o ser de outro mundo que criou. Um que surpreende, e nos deixa aflitos justamente pela improbabilidade de serem o que são.

Sabe quando, às vezes, você diz a si mesmo que tem escolha, mas na verdade essa escolha não existe? O simples fato de existirem alternativas não significa que elas se apliquem a você.

Os personagens são bem caracterizados. Cassie me irritou em alguns momentos com a grosseria, mas e se estivéssemos no lugar dela, sem família, com medo de arriscar na confiança, já que aquilo poderia levar à sua morte? Evan é gentil, mas o personagem que mais apreciei foi Ben e o seu amadurecimento com o decorrer da história.

Assisti já o filme e não tenho o que reclamar: é muito fiel! Alguns detalhes foram alterados, mas nada que atrapalhasse. Ainda assim, no site filmow já tem várias pessoas criticando por ser clichê. Entendo, porque em duas horas não é possível mostrar toda a relação dos personagens sendo construída, então parece bem repentino, mas é uma pena. E pra piorar, fizeram com que parecesse ser um triângulo amoroso entre Ben, Cassie e Evan, sendo que faz favoor, o Ben é da Esp! Isso é claro no livro. É uma pena² modularem para ficar similar a livros como Jogos Vorazes e Crepúsculo (sim, realmente disseram isso). A comparação já começou a rolar solta rs

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 20 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário