quinta-feira, 10 de setembro de 2015

O Despertar do Príncipe

Título: O Despertar do Príncipe
Título Original: Reawakened
Autora: Colleen Houck
Série: Deuses do Egito - #1
Editora: Arqueiro
Livro: Skoob
Sinopse:
Quando a jovem de dezessete anos, Lilliana Young, entra no Museu Metropolitano de Arte certa manhã, durante as férias de primavera, a última coisa que esperava encontrar é um príncipe egípcio ao vivo com poderes divinos, que teria despertado após mil anos de mumificação. E ela realmente não poderia imaginar ser escolhida para ajudá-lo em uma jornada épica que irá levá-los por todo globo para encontrar seus irmãos e completar uma grande cerimônia que salvará a humanidade.Mas o destino tem tomado conta de Lily, e ela, juntamente com seu príncipe sol, Amon, deverá viajar para o Vale dos Reis, despertar seus irmãos e impedir um mal em forma de um deus chamado Seth, de dominar o mundo.

Lily é uma garota cujos pais são tremendamente ricos e mais aéreos do que presentes. Após sua família ter alcançado uma situação financeira invejável, e Lily perceber que não é exatamente fã da situação, ela passou a se refugiar no museu de New York, onde se senta pra observar a emoção transparente no rosto das pessoas e desenhá-las. A fim de adiar o máximo possível o encontro que teria em breve com suas colegas riquinhas do colégio, Lily vai para uma área do museu que está fechada para obras, para assim poder desenhar em paz. Mas ao ouvir barulhos suspeitos, Lily começa a duvidar de que esteja acompanhada de algo além de ratos e poeira. Ela só não imaginava se deparar com um homem vestindo apenas uma saia branca e que não falava seu idioma.

Assustada, Lily foge, mas não é capaz de escapar dele por muito tempo. Com uma força maior do que ela mesma, Lily se permite conhecê-lo melhor, até notar o quão louco ele era.

Provar todos aqueles pratos com Amon foi uma experiência muito empolgante. Um prazer sem limites, uma aventura, e de certa forma algo muito íntimo. Acima de tudo, porém, foi divertido. Percebi que na verdade eu nunca havia me banqueteado na vida. A paixão de Amon pela comida e por se entregar aos prazeres simples do sabor e das texturas era uma grande novidade pra mim. Peguei-me desejando ter feito aquilo antes.

Amon, o tal cara de saia, não reconhece tecnologia e alega que precisa da força vital de Lily para sobreviver já que seus vasos canópicos sumiram. Ele diz que é do Egito, descendente do Deus do Sol, e que precisa encontrar o sarcófago de seus irmãos para cumprirem juntos a celebração e manter o mal, vulgo Seth, longe da Terra.

Parece loucura? Bom, Lily está convencida de que sim e reluta, totalmente incrédula. Mas a honestidade nos olhos de Amon era tão grande, assim como em suas atitudes, que Lily acaba confiando e viajando com ele ao Egito em uma aventura impagável.

Será que Amon conseguirá despertar os irmãos a tempo? Será que Lily vai ser capaz de resistir aos encantos daquele deus mumificado que até então era apenas uma lenda?

– Porque você está celebrando a vida? – repeti. - Sempre que eu... desperto, constato que sinto uma grande fome de vida. Nas semanas anteriores à cerimônia, eu como até me fartar. Danço. Eu me cerco... – sem parar de falar, ele correu as pontas dos dedos por um cacho solto dos meus cabelos até os fios roçarem meu rosto - ... de beleza. Saboreio cada momento de estar vivo. Assim tenho algo para refletir, algo para me aquecer durante os longos anos de escuridão.

Esse. Livro. É. Demais!!! Sério, pela sinopse nem me despertou muita curiosidade, resolvi ler por ser da Colleen e eu super amo a trilogia da Maldição do Tigre, mas estou vendo que Deuses do Egito vai abalar minhas estruturas e ganhar como favorito. É um tsunami de sentimentos: diversão, raiva, confusão, amor, cenas de sufoco e outras engraçadas. E as explicações, então? Acredito que esse seja o grande motivo pela minha admiração pela autora; ela tem o poder de explanar com tanta clareza e botar elementos nas sentenças que nos transporte facilmente à era em que tudo aconteceu. Eu particularmente sou apaixonada por mitologia, mas acho que nunca havia lido nada a fundo a respeito da egípicia e me arrependo por não ter feito isso antes.

A única coisa que me irritou foi a Lily em determinados momentos; o mundo caindo e ela insistindo por respostas supérfluas. Nesse quesito ela é bem parecida com a Kelsey, uma personagem que parei de gostar ao longo da série, então realmente espero que isso não aconteça e ela amadureça. Outro ponto é que achei os irmãos muito semelhantes, espero que haja uma distinção maior entre eles, assim como uma caracterização específica nos próximos volumes.

De resto, é uma história rica em detalhes, cheia de aventuras e emoções.

O Wadjet, ou Olho de Hórus, pode ser visto em obras de arte e esculturas por todo o Egito. Dizem que um amuleto feito com o Olho de Hórus é capaz de afastar o mal e proteger quem o usa. O símbolo é um sinal da proteção do deus do sol e um lembrete: quando somos privados de tudo aquilo que valorizamos, finalmente conseguimos ver a verdade.

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 20 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário