sábado, 15 de agosto de 2015

Scarlets

Nome: Scarlets
Título Original: Scarlets
Autora: Madeleine Roux
Série: Asylum - #1,5
Editora: V&R
Livro: Skoob
Sinopse:
Cal Erickson é um secundarista da New Hampshire College. Ele não é um aluno exemplar e não tem muitos amigos. Roger, seu pai e reitor da universidade, quer que ele pare com a bebedeira e com a história de ser gay. O rapaz até se esforça para se encaixar naquele ambiente, mais é muito difícil. Cansado de tentar controlar o filho, Roger exige que ele participe de um seleto grupo de estudos orientado pela professora Reyes. Junto com outros alunos, sua primeira tarefa é descer ao porão do alojamento Brookline onde antigamente funcionava um manicômio para catalogar tudo o que for encontrado por lá. Com o passar do tempo, Cal percebe que há algo estranho e misterioso por trás de tudo aquilo.

Scarlets é o volume 1,5 da série Asylum. É um conto curto, que não está diretamente relacionado com a história em si do livro, então podem ler a resenha a vontade pois não há spoilers.

A intenção da autora foi boa, eu sei. Mas não funcionou.

Cal Erickson é um secundarista da New Hampshire College conhecido por seu comportamento rebelde, sempre desobedecendo Roger, seu pai, e não tendo nem um pingo de responsabilidade. Roger, que é uma grande influência na faculdade, já não sabe mais o que fazer. Como último recurso, ele contrata Fallon, uma aluna para ajudar Carl com aulas particulares, assim como o inclui no programa de atividades da professora Reyes, que leva o grupo ao porão do alojamento Brookline para anotar tudo o que encontrassem por lá. O problema é que esse não é um porão qualquer, já que antigamente ele era usado como manicômio para assassinos.

Logo na primeira tarefa, Carl se depara com um garotinho que definitivamente não era para estar ali. E mesmo ao sair correndo daquele lugar, ele continua vendo o garoto ocasionalmente, seja em seus sonhos ou bem à sua frente.

- Você está aqui para ajudar ou é como eles também?

E ainda assim Roger continua implicando com Carl. Seja a respeito do fato do filho ser gay, de viver de ressaca, de seus amigos, de Fallon ser uma hacker que devia ser expulsa. Ele sempre encontrava uma forma de ser repugnante e jogar na cara de Carl como desejava que o filho mudasse.

Outras situações estranhas começam a surgir que o fazem duvidar do próprio pai, e do que afinal estava realmente acontecendo ao seu redor.

Mas a maior questão é que você chega ao final e fica tipo... “E aí?” Eu não entendi o que são os Scarlets, o propósito deles, e muito menos como um pai pode ser tão nojento. A autora deixou muitas pontas abertas, e um final completamente jogado no ar. Particularmente, eu duvido muito que esses personagens vão aparecer nos próximos volumes de Asylum (que, aliás, é um livro maravilhoso!), mas vamos ver. Por um lado até espero que sim, pois foi bem frustrante nadar, nadar, e não chegar a lugar algum.

Nota: 3

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 20 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música..

Nenhum comentário:

Postar um comentário