domingo, 3 de maio de 2015

Para Sir Phillip, Com Amor

Nome: Para Sir Phillip, Com Amor
Título Original: To Sir Phillip, with love
Autora: Julia Quinn
Série: Os Bridgertons - #5
Editora: Arqueiro
Livro: Skoob
Sinopse:
Eloise Bridgerton é uma jovem simpática e extrovertida, cuja forma preferida de comunicação sempre foram as cartas, nas quais sua personalidade se torna ainda mais cativante. Quando uma prima distante morre, ela decide escrever para o viúvo e oferecer as condolências. Ao ser surpreendido por um gesto tão amável vindo de uma desconhecida, Sir Phillip resolve retribuir a atenção e responder. Assim, os dois começam uma instigante troca de correspondências. Ele logo descobre que Eloise, além de uma solteirona que nunca encontrou o par perfeito, é uma confidente de rara inteligência. E ela fica sabendo que Sir Phillip é um cavalheiro honrado que quer encontrar uma esposa para ajudá-lo na criação de seus dois filhos órfãos. Após alguns meses, uma das cartas traz uma proposta peculiar: o que Eloise acharia de passar uma temporada com Sir Phillip para os dois se conhecerem melhor e, caso se deem bem, pensarem em se casar? Ela aceita o convite, mas em pouco tempo eles se dão conta de que, ao vivo, não são bem como imaginaram. Ela é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina. Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços. Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro.



Sir. Phillip Crane é casado com Marina e tem dois filhos que são duas pestes. Ele não tem a menor ideia do que fazer pra corrigir o comportamento deles; aliás, o único contato que ele tem com os filhos é para mantê-los afastados da mãe, livrando-os da tristeza agoniante que ela sente, chorando e se mantendo trancada no quarto o dia inteiro desde que pariu os gêmeos. A vida de Phillip foi abaixo junto daquele ambiente pesado e deprimente, e nem mesmo quando a esposa tenta se afogar e morre após três dias, ele consegue se livrar daquela sensação ruim.

Dentre as cartas de pêsames que recebe, uma delas é a de Eloise Bridgerton, uma das primas de sua esposa falecida. Era para ele agradecê-la e o assunto ser encerrado, porém Eloise responde, e então se prossegue uma sequência de cartas trocadas que faz Phillip perceber que precisa de uma esposa pra botar ordem nos seus filhos, e por acaso Eloise parece perfeita pra isso. Sempre falante e transbordando alegria, Eloise é exatamente o que falta para melhorar o astral da casa, e é por isso que após um ano de correspondência, ele a convida para conhecê-lo pessoalmente, pois pretende a pedir em casamento.

Eloise tem 28 anos, considerada já uma solteirona, e sua melhor amiga, Penélope, havia acabado de se casar com seu irmão, Colin Bridgerton. Por mais que ela quisesse se sentir feliz por eles, ela se sentia sozinha agora que não tinha mais a companhia de outra solteirona, então qual era o problema de ir até lá e conhecê-lo? Quem sabe finalmente ela se apaixonasse, e pudesse se casar por amor.

Deixando só um bilhete na porta de casa, ela parte para encontrar Phillip Crane. Ela podia esperar de tudo daquela atitude precipitada, menos que ele não a reconhecesse, e ainda parecesse bem irritado pela sua visita sem tê-lo avisado antes. Mas o que ela podia fazer agora? Voltar pra casa e admitir a derrota? Se conformar que aquela tinha sido uma ideia louca? Sem grandes escolhas, ela permanece na casa, mesmo notando o quão desconcertado ele ficava pelo falatório excessivo dela, e ao longo do dia vai descobrindo coisas a seu respeito, principalmente seus filhos que não aprovam nem um pouco a presença dela e fazem de tudo pra que ela vá embora, aprontando poucas e boas.

Aos poucos, Phillip se dá conta do erro que cometeria se a deixasse escapar e ir embora, e se esforça ao máximo pra tentar criar uma relação com a moça que, aliás, não parece nem um pouco a solteirona que ele imaginava. Eloise o encanta com seu sorriso, a disciplina e a vingança de brincadeira com seus filhos, e em poucos dias ela acaba tomando um espaço de sua vida que faz parecer insuportável não tê-la por perto pelo resto dos dias. Mas será que afinal ele é capaz de superar seus traumas e ser feliz? Será que Eloise aceitará ser mãe de seus filhos, mesmo achando que ele não a ama?

- Antes de dormir os gêmeos me falaram que este foi o melhor dia da vida deles – disse ele, baixinho. – E eu percebi que estavam certos.
Eloise fez que sim, ainda sem palavras.
- Mas depois pensei melhor e conclui que estavam errados.
Ela ergueu os olhos para ele, sem entender.
- Eu não poderia escolher um dia só. Qualquer dia com você é perfeito, Eloise. Qualquer um.

Acho que já comentei meu problema com romances de época, principalmente quando conhecemos a escrita do autor. Chega uma hora que já sabemos qual vai ser o desenrolar. Mas a magia de Os Bridgertons é que, ainda assim, a história consegue nos encantar e se diferenciar das outras em pequenos detalhes. Pela sinopse, eu esperava que Phillip fosse mais mau humorado, mas até que seus motivos são compreensíveis, e ele não é o tipo de pessoa com quem eu imaginava que Eloise fosse ficar pelo tamanho do seu entusiasmo que é de contagiar. Mas os opostos se atraem, não é? E no final, é justamente por essa diferença que eles aprendem um com o outro.

Eu ia dar nota 4 pra esse livro, mas passei por uma experiência que eu juro pra vocês que nunca passei antes em livro algum. Sabe quando uma única cena te conquista? Eu estava chegando ao final do livro, quando me deparei com uma cena dessas. Todo o clima, o ambiente onde se encontravam, os movimentos, a conversa, foi trabalhada com tanto cuidado que eu deixei de ser a leitora pra vivenciar aquele momento. Não sei se foi porque eu estava ouvindo uma música que combinava com a situação, eu me senti completamente envolvida, as emoções deles tão evidentes, foi aquela parte do livro pela qual esperamos pra poder dizer “ok, agora ficou completo, pode acabar já”. Mesmo depois de tudo, eu ainda achava que algumas peças do relacionamento deles estavam soltas, e aquela cena foi uma reconciliação tão bonita que não faltava mais nada. Julia Quinn fechou a história de Phillip e Eloise com chave de ouro!

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 20 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário