sábado, 21 de março de 2015

Filmes #014

Gente do céu, vocês tem noção da preguiça que eu andei pra fazer esse post? Faz um bom tempo que não atualizamos a coluna de filmes, então acho que por isso tá parecendo um desafio e tanto começar a resenha haha mas vamos lá porque esse primeiro filme que vou falar foi super discutido e eu também preciso falar o que achei.


Título Original: Fifty Shades of Grey
Título Traduzido: Cinquenta tons de cinza
Ano: 2015
Gênero: Romance
Elenco: Dakota Johnson, Jamie Dornan
Sinopse: Quando a estudante de literatura Anastasia Steele entrevista o jovem bilionário Christian Grey, como um favor a sua colega de quarto Kate Kavanagh, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que o deseja e que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Christian admite que também a deseja, mas em seus próprios termos. Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso — os negócios multinacionais, a vasta fortuna, a amada família — ele é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Ao embarcar num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros que Grey tenta manter escondidos.

Resenha: Acreditem ou não, não consegui uma única bendita companhia pra ver esse filme. Porque? “Ah, não vou gastar meu dinheiro com isso”, “Nossa, dá vergonha ir ver um filme desse” e aí é que tá. As pessoas vão pro cinema achando que vão ver uma coisa, e acabam vendo algo completamente diferente. Tem sexo? Tem. Mas o significado que a história quer transmitir não é esse. É muito além disso. E me dei conta disso vendo na minha casa, quietinha. Talvez se estivesse na sala de cinema com gente berrando eu não ia conseguir pegar a essência da obra, mas pra mim ficou muito claro. Anastasia Steele vai entrevistar Christian Grey, um grande empresário, no lugar de sua amiga que ficou doente. Já começa pelo fato que ela entra caindo de quatro na frente dele. Isso foi desnecessário, na moral, não teve como não rir. E depois se prossegue a conversa mais esquisita do planeta, onde os dois se apaixonam de cara em o que, 2 minutos? Até essa parte eu pensei “Caramba, não é que todo mundo tinha razão em dizer que é uma porcaria?” Mas então eu deixei esses detalhes de lado e continuei a assistir. Christian resiste ao máximo ter envolvimento com a Ana, porque ela quer romance, e ele tem seu gosto peculiar, mas ele não consegue se conter (junto do lado possessivo exagerado dele) e mostra a Ana um contrato, onde somente se ela aceitar e assinar, eles poderão... Bem, fazer sexo. Mas tudo isso do jeito dele, e mesmo antes de Ana aceitar, eles já estão se “divertindo” e ele a levando pro tão famoso quarto vermelho. De princípio ela fica intimidada (eu sairia correndo na hora mesmo), mas talvez por sua inocência (que aliás, pelo menos no filme, não abusaram tanto assim), ela acaba ficando curiosa e pede pra que ele lhe dê uma amostra do que ele faria com todos aqueles chicotes, cordas, entre outras coisas estranhas. A partir disso, Christian vai mostrando aos poucos o que dá prazer a ele, mas... Aí é que ta novamente. Ana não gosta. Ela passa 90% do tempo da relação deles se sentindo infeliz. “Então porque diabos ela não termina tudo e foge pras montanhas?” Porque ela se apaixonou por ele antes mesmo de conhecer essas particularidades dele. Ela gostaria de poder só ir ao cinema, poder tocá-lo, ter um hábito normal de casais. Eles discutem bastante sobre isso no decorrer da história, é como se no fundo ela tivesse esperanças que ele mude. E o filme nem mesmo tem um final feliz! Desculpa, isso pode parecer spoiler, mas eu não esperava por isso. Não li o livro, então tudo o que estou contando aqui é baseado no filme, pode ser que no livro muitos detalhes sejam diferentes. Eu achava que no final ela fosse se adaptar, mas não. Pra mim, esse filme fala sobre duas pessoas que realmente se gostam, mas pelo jeito diferente de ser acabam por mais sofrerem na presença um do outro do que ficando felizes. Quanto ao sadomasoquismo, não vou falar “quem se sujeita a isso” porque cada um tem seu gosto, mas as cenas nem são tão pesadas assim, e só pelo que aparece eu já fiquei inconformada kkk e as cenas de sexo mesmo são bem leves, por isso mesmo a grande maioria deve estar saindo decepcionada do cinema. Gostei bastante da atuação dos atores, eles seguiram bem os personagens. Na verdade, achei a Ana mil vezes mais forte do que dizem; ela não é nem um pouco aquela menininha boba, na verdade ela é bem determinada, outro motivo pro final ter me deixado em choque. Nossa, acabei fazendo uma bíblia desse filme. Entendem porque é uma história complexa? Não achei ruim, nem pornográfica, nem mesmo sadomasoquista. Só... meio triste.

Trailer:


Título Original: Love, Rosie
Título Traduzido: Simplesmente Acontece
Ano: 2015
Gênero: Romance
Elenco: Lily Collins, Sam Claflin
Sinopse: Adaptação do livro 'Onde Terminam os Arco-Íris' de Cecelia Ahern, a trama acompanha dois amigos de infância que vivem na Irlanda e planejam estudar juntos nos EUA quando chegar a hora de fazer faculdade. Tudo dá errado porque ela acaba engravidando do bonitão da escola, o que acaba separando os dois. Mas eles ainda mantém contato por e-mail.

Resenha: Rosie e Alex são amigos desde... Sempre. Já bem novinhos, eles viviam um do lado do outro. No aniversário de 18 anos de Rosie, Alex arrisca e a beija, mas ela estava tão bêbada que nem lembra disso. Alex se sente meio ofendido com isso, e resolve chamar outra garota pro baile de formatura, já que Rosie também tinha sido convidada por outro e estava considerando a ideia. Esse filme é perfeito pra passar a mensagem de que uma única escolha errada pode mudar toda a direção de sua vida. Vendo Alex com a menina, Rosie acaba indo pra cama com o seu acompanhante, e nove meses depois, ela está com uma linda bebê em seus braços aos berros no meio da noite, enquanto Alex foi pra outra cidade fazer faculdade. Pro lugar onde Rosie também iria se não tivesse engravidado. O filme inteiro é basicamente encontros e desencontros de Rosie com Alex. Eles passam a vida inteira (ou quase) desejando estarem juntos, mas sempre aparece um empecilho; ou Rosie se casa, ou Alex se casa, ou a esposa dele engravida, e por aí vai. É um filme perfeito pra se passar o tempo, bem fofo e leve. Além de, claro, ficarmos torcendo o tempo todo pra que eles caiam na real e aproveitem o que não tiveram a chance de aproveitar durante muitos e muitos anos perdidos.

Trailer:

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário