segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

[+18] Amor Sem Limites


Nome: Amor Sem Limites
Título Original: Forever too far
Autora: Abbi Glines
Série: Too Far - #3
Editora: Arqueiro
Livro: Skoob
Blaire Wynn conheceu Rush Finlay num momento muito difícil da vida dela, logo depois de perder a mãe e a casa em que morava. Filho de um astro do rock, Rush vivia num mundo de luxo, sexo sem compromisso e total despreocupação com o futuro. Exatamente o oposto de tudo o que Blaire conhecia. Mesmo com tantas diferenças, a paixão entre os dois foi arrebatadora. Porém Rush guardava um segredo de sua família que levou ao fim do namoro e a um período de tristeza absoluta para o casal. Mas eles já não sabiam viver um sem o outro e cederam de novo àquele sentimento irresistível. Agora Blaire está grávida, eles estão felizes e planejam se casar. Mas nem tudo está garantido. O pai de Rush chega trazendo más notícias e novamente os antigos problemas de família podem fazer com que os dois se afastem.

[Se ainda não leu a série, confira a resenha de Paixão sem limites e Tentação sem limites, primeiro e segundo volume respectivamente]

Esse livro não tinha necessidade nenhuma de existir. Pelo segundo livro, dá a entender que a família de Rush vai voltar a atormentá-lo e inventar motivo pra que o relacionamento dele com Blaire não evolua, mas nem isso direito acontece.

As coisas entre os dois vão bem, e Rush recebe a visita de seu pai, Dean Filay, sendo que fazia algum tempo que eles não se falavam. Rush não tinha o que reclamar; Dean era um bom pai, que lhe deu atenção quando criança e assumiu a responsabilidade mesmo que não pudesse estar ao lado de Rush o tempo todo. E naquele momento, ele estava ali para pedir socorro porque Nan, a irmã de Rush, estava na casa que ele dividia com Kiro, o pai dela, fazendo escândalo e exigindo atenção. Mas Nan é insuportável, em todos os termos, e nem mesmo o pai dela agüenta ela. Como Rush é o único que sempre aturou Nan, Dean pede pra que ele vá lá amenizar a barra e tentar resolver o problema.

Então atendendo ao pedido de seu pai, ele vai com Blaire pra casa deles, onde já aviso que não adiantou muita coisa. Nan continua sendo a peste de sempre, agindo feito uma criança mimada, achando que ninguém ama ela, mas também não se esforçando pra que seja possível alguém amá-la. E no meio desse tormento, ela acaba fazendo com que Rush se afaste um pouco de Blaire, e justamente quando Blaire e seu bebê mais precisam, Rush está atrás da irmã louca, fazendo com que Blaire se chateie e vá morar com o pai por um tempo.

Isso me dá nos nervos. A droga do tempo inteiro Blaire fica achando que ela vai ficar em segundo lugar, enquanto Nan acha a mesma coisa. Gente, que inferno! O cara não tem como se desdobrar pra dar atenção pras duas! Ele é um ser humano, com suas próprias vontades, e direito de amar cada uma de uma forma diferente. Isso não significa que uma ou outra vai estar em primeiro lugar na vida dele. Que coisa mais infantil, meu deus. E o Rush então também me dá nos nervos. Gostava muito mais dele no primeiro livro, quando era aquele bad boy grosso e que fazia qualquer uma delirar. Mas a partir do momento que ele assumiu algo com a Blaire, jesus, ele virou um bundão. Ele faz TUDO, T-U-D-O por ela. Algumas situações foi bonito, sim, e confesso que seria bom mesmo ter alguém assim, pela intensidade do romantismo. Mas outras horas enchia o saco. Até parecia um cachorro correndo e babando atrás dela. Até parece que a mulher não sabe fazer nada sozinha, nem se virou pra cuidar da mãe que tava morrendo.

A única coisa boa nesse livro foi conhecer Harlow. Ela é a outra filha de Kiro, mas totalmente diferente de Nan. Ela é quietinha, tímida, vive trancada em seu quarto lendo, é um amor de pessoa. Basicamente, é a única personagem decente do livro, e não sei se estou falando isso só porque me identifiquei com ela, haha. E quando o Grant se interessa por ela, então, eu amei! Desde a primeira vez que ele apareceu no livro eu já gostei dele, e o fato de ele se atrair justamente pela personagem que eu gostei, me empolgou bastante, hahaha. E ah, se vocês não estão sabendo ainda, a Editora Arqueiro já confirmou que vai lançar a série "Chance" que conta justamente a história desse casal :DD

Mas, basicamente... É isso. Não tem muita história. É só enrolação, uns dilemas básicos que os casais tem que passar, mas nada demais ou muito surpreendente. É mais a relação entre eles crescendo, o amor nítido que um sente pelo outro sendo mostrado ao leitor, a felicidade de Blaire por ter amigos verdadeiros, um homem que ama, o pai de volta, e agora um bebê à caminho...

Foi um desfecho bonito, e a série não foi uma total perda de tempo, maaas ainda assim teve bastante enrolação e algumas coisas que me irritaram. O Rush tinha tudo pra ser um dos meus personagens favoritos, mas :/ pena que a Blaire fez isso mudar, haha.

Nota: 3


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário