sexta-feira, 25 de julho de 2014

Azar o Seu!

Nome: Azar o Seu!
Autora: Carol Sabar
Editora: Jangada
Livro: Skoob
Sinopse:
Bia está parada num engarrafamento no Rio de Janeiro, pensando em sua vida azarada. Sem emprego, atolada em dívidas, ela não imagina que está prestes a viver a grande coincidência da sua vida. O motorista do carro ao lado está buzinando, tentando se comunicar com ela, como se fosse um velho conhecido... E ele é! Mas Bia não o reconhece. E como poderia? Ele é um homem, não mais o garoto de dez anos atrás. Está mais encorpado, cortou o cabelo, livrou-se do aparelho nos dentes e das espinhas do rosto, está tão diferente, tão lindo... O motorista sai do carro, mas não tem tempo de se explicar, pois começa um violento tiroteio e eles têm que se jogar lado a lado no asfalto. Certa de que está prestes a morrer, Bia entra em desespero e se prepara para dizer suas últimas palavras, na esperança de que o suposto desconhecido deitado ao seu lado possa levar um recado a Guga, seu amor da adolescência, sem perceber que é ele próprio que está ali, ouvindo a inesperada declaração de amor! Os dois escapam juntos do tiroteio e, a partir daí, começam a se envolver, dia após dia... Guga, sem coragem de assumir sua verdadeira identidade. Bia, fascinada por ele e feliz consigo mesma por finalmente estar se apaixonando por alguém que não é Guga... Azar o seu! vai além de uma comédia romântica. É uma reflexão sobre a importância da amizade verdadeira, do perdão e do autoconhecimento, que nos resgata o poder de decidir sem medo e de reverter escolhas que nos impedem de ser feliz.

Acredito que essa resenha não chegará nem aos pés de tudo o que eu pretendia falar a respeito desse livro, mas vamos lá...

Essa é uma obra que eu tenho desejado há um bom tempo, basicamente desde que foi lançada. Então vendo que eu não sossegaria até conseguir lê-lo, resolvi comprar, e acabar em dois dias. Não tem como prolongar uma leitura maravilhosa como essa, não!

Ana Beatriz é uma daquelas pessoas que costumamos chamar de bem azarada. Tudo na sua vida tem que dar errado, e o maior desastre que aconteceu no momento pra ela foi perder o emprego por ter sido acusada de abusar um estagiário (o que, obviamente, era uma tramoia de sua colega de quarto contra ela, mas ninguém acreditou nisso). Bia então volta a morar com seu pai em Juiz de Fora, e ele pede para que ela vá no enterro da esposa de seu tio no lugar dele, que estaria ocupado com a floricultura que era dono, chamada Quatro Estações. Bom, pensando bem, talvez transar com o primo no meio do cemitério possa ter sido um erro tão grave quanto o do emprego. E Bia se esforçava terminantemente pra esquecer que aquilo de fato aconteceu, que ela se permitiu a tamanha besteira, enquanto o mundo caia do lado da Kombi de seu pai, numa das ruas mais movimentadas de Rio de Janeiro, a caminho de volta á sua cidade natal.

É claro que as coisas tinham que piorar mais ainda, né. Como se não fosse suficiente, começa a ter um tiroteio, e Bia se vê em desespero. O cara no carro ao seu lado acena repetidamente, mas Bia não faz a menor ideia de quem possa ser. E em meio à aquele terror todo, era se esconde debaixo da Kombi, torcendo pra sobreviver. E pra tentar se acalmar, ela fala sozinha consigo mesma, relembrando principalmente de Raissa e Gustavo, seus melhores amigos desde que ela se conhece por gente. Quando teve de escolher pra qual faculdade ir, ela e Raissa brigaram feio, motivo para que parassem definitivamente de conversar. E quanto a Gustavo, após beijá-la numa festa e ser seu único e verdadeiro amor desde sempre, foi para Londres dedicar-se à música, e nunca tentou entrar em contato com ela.

- E o que a música faz com você? É segredo ou eu posso saber?
- Segredo não é – ele riu -, mas não sei a resposta. O que a música faz com você?
- Hum – pensei. – É. Também não sei.
- A música não é uma opção – disse ele. – Não vem de fora para dentro. Mas de dentro para fora, sabe. Como uma extensão do meu corpo.


Com toda aquela loucura, Bia ouvia a voz de alguém conversando com ela, mas só foi descobrir que era realmente uma pessoa, quando bateu a cabeça e desmaiou. E, coincidentemente ou não, a pessoa com ela era justamente o cara que estava no carro ao lado, e que, aliás, teve o carro todo acabado. Então já que ele lhe fez companhia e basicamente a salvou, Bia lhe dá carona, e percebe que estranhamente, o cara parece saber muito sobre ela. E quando eles se despedem, ele não informa o nome dele, dizendo que ainda é cedo para contar, mas que ela deveria chamá-lo apenas de Cara.

Eles continuam se encontrando, e tudo parece bom demais pra ser verdade, até mesmo ver a foto de Raissa no jornal com o noivo, anunciando seu casamento, conseguiu não ser um baque tão forte. E então após já estar completamente nas mãos do Cara, ela descobre quem afinal ele é. E daí seu mundo vem abaixo de novo. E é difícil de entender como diabos ela não o reconheceu antes!

Sei que pela minha resenha pareceu uma história meio séria, mas não é. Pelo contrário, a escrita da Carol é incrível, ela traz carisma e graça aos personagens, fazendo com que a gente se divirta junto com as enrascadas de Bia. É uma história bem leve e envolvente, eu simplesmente não conseguia largar o livro, sempre querendo mais. Mas só teve um único detalhe que me irritou. A Bia é uma personagem que consegue transmitir humor mesmo quando está querendo explodir o mundo, mas depois que ela descobre quem o Cara é... Olha, eu entendo, ela tem todos os motivos pra se sentir magoada e traída, mas por mais que ele continue tentando, e dizendo que jamais vai desistir dela até que ela aceite se render àquele amor, chega uma hora que até mesmo eu cansaria de insistir e jogaria tudo pro ar, porque pra uma mulher de 25 anos, ela agiu feito uma criança. Totalmente uma criança. E ela teve muuuita sorte por ele ser loucamente apaixonado por ela, se não, a deixaria na mão rapidinho com aquela birra toda. Isso realmente me deixou furiosa e o final não acabou sendo tão aproveitoso quanto eu esperava, mas, ainda assim, é uma obra criativa e magnífica! Super recomendo a leitura, e se não ler, azar o seu, pois vai perder uma história e tanto! :D

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário