sábado, 23 de novembro de 2013

Tipo Destino

Nome: Tipo Destino
Título Original: Something Like Fate
Autora: Susane Colasanti
Editora: Novo Conceito
Livro: Skoob | Orelha de Livro
Sinopse:
Lani e Erin são melhores amigas, embora não tenham muito a ver uma com a outra. Lani é uma taurina tranquila e Erin é a impetuosa leonina. Uma adora Astrologia (e outras artes adivinhatórias também) e ficar em casa; a outra gosta de pessoas e baladas. Suas preferências — incluindo pizzas e meninos — são bastante diferentes, ou eram, até que Erin começou a namorar Jason… Assim que Lani conheceu o namorado de Erin, sentiu uma enorme conexão com ele. Uma sensação de que já se conheciam a vida toda. E, apesar de acreditar que ele sentia o mesmo, ela sempre soube que Jason estava fora de cogitação, afinal, ele era quem ele era! Ela decidiu ignorar seus sentimentos. Não importava o quanto quisesse ficar perto de Jason, nada a demoveria da ideia de se manter distante dele. Então, Erin viajou durante todo o verão…
Lani tem como fiel companheira sua melhor amiga Erin, mesmo que elas tenham poucas coisas em comum. Isso é, até Lani conhecer o mais novo paquera de Erin, chamado Jason. Querendo que todos se reúnam, Erin marca de ir à pizzaria com o paquera, Lani, e Blake, o amigo gay delas, mas que mantinha aquela confissão em segredo. É a partir desse dia que Lani e Jason passam a conversar mais, e percebem o quanto tem em parecido. No decorrer da história, eles convivem cada vez mais um com o outro, já que Erin acreditasse ser boa aquela aproximação, assim Lani poderia lhe contar tudo o que Jason falava sobre ela. Mas na verdade, Jason não falava sobre absolutamente nada que envolvesse Erin. Ele preferia muito mais se deixar ser levado pelas conversas confortáveis e tranquilas que tinha com Lani. Até que ambos percebem que o que estão sentindo um pelo outro, já não é mais amizade. Mas eles não podiam magoar Erin daquele jeito. Então, o que fazer?
Talvez tudo o que aconteça em nossa vida não tenha sido decidido antes pelo Destino. Talvez tenhamos alguma influência no que acontece... Se quisermos alguma coisa com muita intensidade, isso pode mudar nosso destino? Ou as coisas se tornam verdades de qualquer forma, não importa o que façamos?

Isso foi bem um resumo mesmo, mas é totalmente a base que sustenta a história. Sinceramente, não sei dizer ao certo se afinal gostei ou não. Pela capa e sinopse, eu esperava que fosse algo do tipo Erin sendo daquelas garotas patricinhas e populares que são cheias de mimimi e ficam se jogando nos caras, mas não é bem assim. O ar que sustenta a história é realmente estranho. Elas são viciadas em horóscopos, e principalmente em proteger o meio ambiente. Sim, isso não devia ser estranho, mas da forma que é abordada, acaba sendo. É como se fosse um colégio cheio de pessoas boazinhas, e que às vezes agem como se estivessem no sexto ano, não no último do ensino médio.
O Desconhecido é assustador. Sempre terei medo do futuro. Mas a questão é que o Desconhecido também pode ser empolgante. Sua vida pode mudar de um instante para o outro. Mas, às vezes, essa mudança é a melhor coisa a lhe acontecer na vida.
Talvez eu não precise saber qual é o meu destino para conseguir acreditar quer tudo vai ficar bem. Talvez não saber seja o que nos mova para frente. Para onde quer que eu vá, saberei que é exatamente onde deverei estar.

Mas o foco principal é o tema sobre “almas gêmeas” e “destino”. Lani insiste o livro inteiro que Jason com certeza era sua alma gêmea, pelo tanto que tinham em comum. E, eu acho legal até esse fato, mas... Será que realmente existe isso? De ter alguém tão parecido com você, com os mesmos objetivos, gostos, jeito de ser, e principalmente chegar a conhecer essa pessoa? Sei lá, acho difícil. Mas isso é questão de opinião, assim como o destino. Eu não acredito que tudo já estivesse planejado, e que cada um tem o destino já escrito, como é bem explicito e apoiado no livro. Acredito que tudo depende das nossas próprias escolhas. Mas, achei legal como a autora abordou esse tema e nos faz refletir um pouco. Ainda assim, é daquelas histórias que você sabe o que vai acontecer do começo ao fim, e serve mais pra passar o tempo mesmo.

Nota: 3 estrelas

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 18 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário