sábado, 31 de agosto de 2013

Vortex


Nome: Vortex
Título Original: Vortex
Autora: Julie Cross
Série: Tempest
Editora: Jangada
Livro: Skoob | Orelha de Livro
Sinopse:
Jackson Meyer agora é um agente secreto da Tempest, a misteriosa divisão da CIA responsável por oferecer proteção contra todas as ameaças relacionadas a viagens no tempo. Preso no passado após a tentativa de salvar Holly, ele tenta apagá-la da sua vida para não colocá-la em perigo. Mas o Eyewall, um departamento rival da CIA, descobre sua antiga ligação com Holly, colocando novamente em risco a vida dos dois, assim como a de seus parceiros. Eles irão descobrir que a realidade em torno deles é muito diferente do que pensavam.



ATENÇÃO: PODE CONTER SPOILERS DE TEMPEST
Eu li Tempest há mais de um ano atrás e, apesar da minha memória ser muito boa para esses assuntos em geral, confesso que eu não lembrava de muita coisa. Tudo o que eu sabia era que 1. Eu tinha amado o primeiro livro, 2. Ele falava sobre viagem no tempo, 3. Tinha alguma coisa sobre CIA. O que, convenhamos, eu podia ter descoberto só lendo a sinopse.
Bom, eu apostei que iria lembrar aos poucos do que tinha acontecido à medida que eu lia e resolvi ler mesmo assim. E me surpreendi ao descobrir que não gostava tanto assim desse livro. Mesmo não lembrando dos eventos de Tempest, eu lembro que eu achei o livro genial, cheio de plot twists (confesso que é uma das minhas coisas preferidas em ficção), então eu tinha algumas expectativas para o segundo e fiquei um pouco decepcionada.
Para começar, tem sequências que você começa a ler e fica um pouco irritado porque o autor fica resumindo tudo o que aconteceu nos livros anteriores e você já sabe. Esse livro não é um deles. Em momento algum a autora se dá o trabalho de relembrar os leitores do que tinha acontecido, então é de se esperar que eu tenha tido um pouco de dificuldade para me localizar, principalmente porque eles faziam alusões a eventos passados o tempo todo.
E, depois, o livro é muito confuso! Eu juro que estou tentando entender o que aconteceu no final até agora, e pode ser que eu simplesmente esteja um pouco lenta hoje, mas não deixa de ser confuso. Talvez eu tenha que reler os livros para entender, porém acho que quando os autores resolvem criar novos universos, com leis muito complexas e os eventos acontecem muito rapidamente, é bom parar um pouco às vezes para explicar o que está acontecendo. De qualquer forma, nesse livro Jackson começa a trabalhar na CIA e se junta a um grupo de iniciandos, que no início tem certo preconceito, pois acham que ele é mimado e só conseguiu entrar por causa de seu pai. Enquanto isso, ele tem que esconder que pode viajar no tempo e tenta lidar com o fato que não tem mais Holly ou Adam em sua vida.
Tirando isso, os personagens não são lá os melhores. Jackson é meio babaca e cheio de comentários problemáticos, mas relevarei. Holly, que era o par romântico de Jackson no último livro e não sei direito o que aconteceu com ela porque não lembro, me deixou mais confusa do que todos e sua personalidade mal existe nesse livro. Kendrick e Stewart foram minhas personagens preferidas do livro, Stewart já tinha aparecido no último (mas obviamente não lembro dela) e confesso que eu shippo ela com o Jackson. Apesar de que, provavelmente, ela merece alguém melhor.
Mas o livro não é de todo o ruim! Realmente, ele é surpreendente, acontecem vários eventos que eu não esperava e eu adoro toda essa história de viajar no tempo. É um livro interessante, apesar de eu ter passado a maior parte do tempo só “??????”.
Por fim, recomendo ler para quem tiver lido Tempest – e gostado muito! – há pouco tempo, se, como eu, leu há mais de um ano, recomendaria ler pelo menos um resumo antes.
P.S: Ainda estou tentando entender o que tinha na cabeça do pessoal da diagramação (ou seja lá quem esoclhe a fnote) quando decidiram colocar as anotações de Jackson em Comic Sans, torna a leitura quase dolorosa.
Nota: 3



Sobre mim: Flávia Crossetti, 18 anos, carioca. Estudante de Psicologia, leitora compulsiva, viciada em séries, escritora de fanfic e feminista nos tempos vagos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário