domingo, 13 de janeiro de 2013

Filmes #009: O Fantasma da Ópera


O Fantasma da Ópera
Título original: Thee Phantom of the Opera
Ano: 2004
Gênero: Drama Musical
Direção: Joel Schumacher
Elenco: Emmy Rossum, Gerard Butler, Patrick Wilson, Miranda Richardson e Minnie Driver.
Sinopse:
La Carlotta (Minnie Driver) é a diva de uma conceituada companhia teatral, que é responsável pelas óperas realizadas em um imponente teatro. Temperamental, La Carlotta se irrita pela ausência de um solo na nova produção da companhia e decide abandonar os ensaios. Com a estréia marcada para o mesmo dia, os novos donos do teatro não têm outra alternativa senão aceitar a sugestão de Madame Giry (Miranda Richardson) e escalar em seu lugar a jovem Christine Daae (Emmy Rossum), que fazia parte do coral. Christine faz sucesso em sua estréia, chamando a atenção do Visconde de Chagny (Patrick Wilson), o novo patrocinador da companhia. O Visconde e Christine se conheceram ainda crianças, mas ele apenas a reconhece na encenação da ópera. Porém o que nem ele nem ninguém da companhia, com exceção de Madame Giry, sabem é que Christine tem um tutor misterioso, que acompanha nas sombras tudo o que acontece no teatro: o Fantasma da Ópera (Gérard Butler).


Depois de muita gente me falar desse filme, depois de muito vê-lo por aí, eu decidi que era hora de assistir. Então, esses dias, sentada com a minha mãe na sala, procurando o que ver, a tevê me avisa que O Fantasma da Ópera estava para começar. Finalmente eu pararia de ouvir "não acredito que você ainda não viu esse filme!"
E, quer saber? Vocês estavam certos ao me cobrar tanto para ver logo o filme. Eu me apaixonei logo nas primeiras cenas e sinto uma responsabilidade enorme por ter que fazer essa resenha (na verdade, só minha humilde opinião) sobre esse grande filme... portanto, deem um desconto, por favor!

A história conta sobre a bela Christine, que começou a estrear no palco com sua voz, após nossa nem-tão-querida,mas-muito-histérica La Carlotta deixar o teatro no mesmo dia em que haveria uma grande apresentação. Apesar de tudo, nem todos confiam tanto assim em Christine fazendo um solo de ópera, substituindo a diva Carlotta; mas se surpreendem assim que ela começa a dar as primeiras notas.
E assistindo a essa peça, está o Visconde Raoul, que Christine conheceu quando pequena, mas ele apenas a reconhece durante a peça. E é enquanto ela canta maravilhosamente que ele e mais uma pessoa ocultamente presente no local, começam a se apaixonar (ou se apaixonam de vez?) por ela.
E essa pessoa ocultamente presente, assistindo a peça, apenas observando e manipulando tudo, é nosso querido e apaixonante Fantasma, um personagem que apesar de seu lado meio maníaco, conquista a todos com seu lado carinhoso, carente e solitário, por passar tantos anos nas sombras do belo local, escondendo sua presença de qualquer pessoa.


Bom, quando eu digo que me apaixonei logo nas primeiras cenas, é porque é realmente muito difícil não sentir aquele segundo de falta de ar ao ver o cenário maravilhoso que foi montado no teatro, o ambiente perfeito e as personagens de um figurino explêndido, nos fazendo viajar no tempo.
E, junto com isso, nossos personagens principais completam totalmente a ambientalização. Minnie Driver, que interpreta La Carlotta, soube realmente incorporar uma diva teatral e orgulhosa da época, que bate o pé e não adimite que ninguém a substitua ou que não façam tudo o que lhes é mandado. Emmy Rossum, nossa querida Christine, na época muito nova ainda, soube colocar na mesa toda a sua inocência e delicadeza, além da fé em seu Anjo da Música. E sem comentários sobre Butler, nosso Fantasma; acho muito difícil não se emocionar com sua história, chorar e se apaixonar pelo personagem genial que ele é - louco, mas genial. O único um pouco mais fraco, foi Visconde Raoul, que parecia muitas vezes um Príncipe Encatando (não lembro se o cavalo era branco), mas entendo que esse era realmente o papel dele... O de mocinho apaixonado, que quer apenas deixar sua amada longe das mãos do maníaco da pracinha do teatro.

Enfim, deu pra perceber que eu me apaixonei e chorei com o filme, né? hahaha Sim, gente, é um musical e se você não gosta de musical, bom... Acho que com esse não vai ser muito diferente, porque eles de fato cantam sobre o que sentem, sobre a situação e tudo mais. Mas a história é muito linda, e acho que vale um esforço. Não tem como não torcer pelo Fantasma, de verdade. E o que eu achei muito legal, é que tudo que ele consegue fazer, tem uma explicação. Tudo tem um porque.

Ah, pra finalizar, ouçam a trilha sonora (linda e maravilhosa) aqui.

Esse filme é... Super-Indicado! \o/

Nenhum comentário:

Postar um comentário