segunda-feira, 18 de abril de 2011

Desafio de Equipe #007

Lançado por: Carol.


Título Original: Flipped
Título Traduzido: Flipped
Ano: 2010
Gênero: Comédia Dramática
Elenco: Madeline Carroll, Callan McAuliffe, Rebecca De Mornay, Anthony Edwards.
Sinopse:
(Provisória) Juli e Bryce se conheceram aos sete anos de idade e até os 13 compartilharam diversas experiências amorosas como o primeiro e famoso primeiro beijo, que faz parte da vida de todo adolescente.



Resenha:

Flipped é bem aquele estilo de filme calmo e tranquilo de se assistir, quando você está num clima clichê, afim de ver um romance fofo que te faça participar da história e sofrer junto. Na segunda série, Bryce se mudou com seus pais para um novo bairro, onde tinha como vizinha, a pequena Juli. Na intenção de fazer com que o garotinho tímido se soltasse e perdesse a vergonha, ela passou a andar o tempo inteiro atrás dele, puxando assunto, embora não imaginasse a opnião dele. No decorrer dos anos, ela não desistiu, insistindo em persegui-lo, e isso deixava Bryce completamente furioso, pois ele não aguentava mais tê-la o irritando. O que eu gostei bastante nesse filme é que conta cada cena, o pensamento de cada um. Como pode ser diferente, e como nós mesmos, seres humanos, podemos entender uma coisa, sendo que na realidade é outra totalmente contrária, e o quanto isso pode acabar nos ferindo.
Ao decorrer de certas circunstâncias, Bryce começou a reparar que Juli não era bem como ele imaginava. Ele tinha na realidade medo dela, e de sua paixão avassaladora. Em determinadas situações, Bryce acabou magoando-a sem perceber, e isso fez com que seu coração demonstrasse o que sempre sentiu, mas se esforçou para esconder: o amor que também sentia por ela, porém negava. Infelizmente, quando ele foi reparar isso, era tarde demais, e ela havia desistido de passar tanto tempo sofrendo a toa. Será que ele conseguirá reconquistá-la, mesmo após tanta mancada?
Aposto que pela resenha, não parece tão bom assim. Mas eu tenho uma dificuldade enorme de explicar filmes quando eu realmente gosto deles, na maioria das vezes sentimentos são inexplicáveis, e essa não é uma exceção. É um amor de criança, então é delicado, conseguindo transmitir a nós que assistimos, toda a fofura e dor que eles deveriam sentir. Sério, eu recomendo demais esse filme. Pelo trailer, achei que deveria ser um romance clichê como qualquer outro, e apesar de realmente ser clichê, ele tem uma história super linda, vale muito a pena ver! Adooro filmes assim fofinhos. *-*


Caue:
Eu tenho que admitir que não esperava muito de Flipped, no começo o filme parecia meio sessão da tarde pra mim e o fato de eu achar a protagonista meio louca não contribuiram muito pra que eu gostasse do filme logo de cara... ^^' Mas conforme os acontecimentos vão passando, você vai gostando mais e mais do filme.
Outra coisa que eu achei os maiores destaques do filme são os figurinos muito bons da década de 50/60 e também o romance entre os dois protagonistas não ser nada do tipo, a primeira vista ou "ela é a garota mais popular da escola e eu só um nerd", as coisas acontecem da forma mais realista possível, o sentimento vai surgindo neles e tem seus altos e baixos, de forma que você começa o filme bem ''Nossa como eles são viu!¬¬'' e termina bem ''Que bonitinhooooo *-*".
Com relação ao elenco, eu não reconheci nenhum ator/atriz, mas achei o Bryce meio parecido com o Zac Efron, mas ninguém concordou comigo. D:
Recomendo pra quem quer assistir um romance um pouco diferente dos atuais e até meio clichês, arrisco dizer. (não que esse não tenha um pouco, mas é aceitavel e não compromete em nada a história^^)


Juh:
Eu não sei o que falar desse filme. Lindo. Emocionante. Não não, espera. Falando desde o início. O jeito que a história é contada por ambos os lados torna o filme cativante, e nos mostra como o destino é algo incrível.
Primeiramente, gostaria de comentar o quanto eu achei a personagem Julianna irritante quando criança(início do filme), mas dá pra ver que ela não faz por mal.
De início, começaram os comentários de que a Julianna era parecida comigo. Discordo, mas depois de um tempo, vi alguns detalhes, que até que parecia. A história é realista, e se passa em 1963(a adolescencia deles), e conta a história de como Julianna gostava de Bryce quando pequena, aos 7 anos. mas ao crescer, percebeu que ele não era tudo aquilo que ela imaginava. Deixou de gostar dele, lentamente. Aproximadamente nessa mesma época, Bryce começou a se apaixonar por ela, e perceber que existiam coisas muito boas nela. Bryce fala para um amigo que provavelmente estava gostando dela, mas o amigo faz uma piada sem graça sobre o tio dela, que tem problemas mentais, ela ouve, e Bryce concorda. Isso fez uma reviravolta de sentimentos, e ela não fala mais com ele. Num piquenique com os garotos mais lindos do colégio, Ju "compra" um almoço com um dos nerds do colégio, mas Bryce fica com ciumes e tenta a beijar. Ela sai correndo, e se tranca em casa por dias, não recebendo ligações ou as visitas dele. O resto só vendo o filme pra saber. Lindo, extremamente lindo. Virou um dos meus filmes favoritos.
As atuações são simples, nenhum ator conhecido, a trilha sonora é perfeita para as situações, e eu agradeço pela Carol ter colocado como desafio.


Leeh:
De início, não esperava muita coisa do filme. Mas comecei a assistir de boa vontade, querendo saber do que se tratava. Até agora não entendi muito o título, Flipped, que é 'capotou' né? Acho que seria algo tipo capotar/cair de amor, mas enfim, né...
O filme se passa em uma época que minha mãe nem tinha nascido ainda (what), mas nos mostra que não importa a época, o primeiro amor, o amor infantil, é o mais inocente e verdadeiro. Ele conta a história de Juli e Bryce; começando quando Bryce se mudou para a casa em frente à de Juli, aos 7 anos de idade, e ela logo começou a sentir algo por ele. A partir daí, o relacionamento deles vai se desenrolando, encontrando altos e baixos.
O mais legal desse filme, que eu achei bem original (pelo menos não vi nenhum assim ainda) é que, por exemplo, o filme começou sendo contado pela visão de Bryce, e, logo depois, passou para a visão de Juli, que falou sobre as mesmas cenas, só que do ponto de vista dela. Como ela via cada ato dele.
E, bom, nem preciso dizer que ele fazia uma coisa, e ela entendia outra, né?
É um romance muito fofo e realista, que indiretamente critica muito as famílias, os pais que influenciam os filhos a fazerem/pensarem certas coisas. Realmente mostra que a família influência e muito no caráter da criança. Super indico!


Mari:
Quando Bryce and Juli se vêem pela primeira vez, Juli sabe que vai ser amor. Bryce não a vê do mesmo jeito. A partir desse dia, ele faz tudo que pode para mantê-la longe dele. O que não é fácil, considerando que eles vão para a mesma escola e são vizinhos. Doce, inteligente e independente, Juli é o tipo de menina que sabe o que faz e defende o que acredita. Juli é diferente de qualquer uma das meninas que Bryce já conheceu. Mas ele se assusta com o jeito que Juli reage com ele, por exemplo, cheirando o cabelo dele. Juli é imprevisível, e não há como dizer o que ela vai fazer. Bryce é extremamente influenciado por sua família, e ele tem medo de se arriscar. Apesar de Juli se decepcionar várias vezes com Bryce ao longo do filme porque ele não vê as coisas do mesmo jeito que ela, ela continua gostando dele. Porém, começando quando ele põem os ovos que ela cultiva com tanto carinho e dava para a família dele sempre, um série de fatos acontecem e ela começa a se perguntar se não estava errada sobre ele. Talvez aqueles olhos que ela achava deslumbrantes fossem tão vazios quanto o resto dele parecia ser. Mas quando ela começa a ter essas dúvidas, finalmente Bryce começa a ver ela com outros olhos. Mas não estaria ele atrasado?
Não é um filme perfeito, mas eu honestamente gostei do filme, apesar de ser uma comédia romântica, o gênero de filme que eu menos gosto. Acho legal como Reiner trocou os PdV; realmente, isso que deu uma agitada no filme - apesar de que as vezes ver certas cenas duas vezes era enjoativo. Reiner também teve um bom trabalho capturando os anos 60 e dando detalhes bem perfeitos do modo que eu imaginava essa época. O elenco foi muito bem escolhido - mas confesso que se não fosse o modo perfeito em que as duas crianças encorporaram o papel, o filme não seria tão bem. Você podia perfeitamente ver a inocência do primeiro amor, a pureza dos sentimentos que há entre eles. E acho que só por esse ponto o filme merecia ganhar nota 3 na minha escala de 1 a 5.

Nenhum comentário:

Postar um comentário