domingo, 14 de novembro de 2010

Eat Pray love



O vício de não fazer nada.

(Frase "retirada" e mudada de A arte de não fazer nada - cultura italiana.)
Eu estou em balanço, e você?



SPOILER


Admito que estava com pouca vontade de ver este filme. Li tantas reviews ruins, falando que o filme era péssimo, que baixei só para ver um filme romântico.
Comecei a ver o filme no sábado a noite, mas a preguiça falou mais alto e decidi continuar no domingo. Torço meu nariz por causa de previsões. Acredito fielmente que tudo na vida, você que decide, e se você "souber" o seu futuro, você irá querer fazer esse futuro acontecer.
O filme começa quando Liz vai até Bali, e ganha uma previsão do futuro dela. Um casamento pequeno, e um casamento grande. Volta a sua cidade(a grande Nova York) e vê uma amiga que teve um bebê recentemente. Descobre-se, percebendo que ela não queria ficar presa. Que seu desejo era viajar pelo mundo, e não ter um bebê.
Lhe garanto que muitas vezes me comparei com Liz. Tenho uma mania incrível de enlouquecer se fico muito tempo parada, sem viajar. Ou ao menos sem planejar uma viagem grandiosa.



Ela divorcia-se, arranja um novo namorado, termina com o namorado por não sentir muita coisa por ele, os papéis do divórcio são assinados, e ela perde todo o dinheiro dela para o ex-marido, mas antes decide fazer uma viagem para a eterna Itália.
Chegando lá, conhece várias pessoas, grandes amigos. E descobre que, para falar italiano, precisa-se mexer a mão. Italianos adoram combinar a fala com o tato, mesmo sendo involuntário.
Não ficar com fome é impossível com todas as cenas de comida. Principalmente na cena de comida com a macarrão cheio de molho, em que mostra cada detalhe da comida, e depois, a cena da pizza.




"Estou apaixonada. Estou tendo um relacionamento com a minha pizza. Não pode terminar com a pizza. Qual é o problema?"
"Não posso"
"Como não pode? é pizza marguerita em Nápoles, o que implica em comer e apreciar a pizza."
(...)
"Não entro no meu jeans só de olhar isso aqui."



Na última semana dela na Itália, ela faz um thanksgiving(ação de graças) completamente americano, mas algumas coisas dão errado. Em mais, ela irá para a índia, para encontrar o guru de seu ex-namorado.



Último comentário sobre a Itália: tenho MUITO medo de andar por lá. Ruas estreitas, pessoas caminhando por todos os lados, e muitos carros. Imagino quantos devem ser atropelados por lá .
A parte sobre a índia não me interessou muito. Fiquei tão irritada quanto a Liz, e já decidi que meditação não é comigo. Barulho, barulho, é tudo o que eu gosto. Nem que sejam os barulhos do meu pensamento. Ela volta para o guru, de um ano atras, e ele a manda copiar um livro.
Voltando para entregar o livro, um cara, ao som de música brasileira, quase atropela ela. Ela vai até uma curandeira, onde encontra Armenia, uma garota brasileira.
Sinceramente, POR QUE TEM TANTO BRASIL EM TUDO O QUE EU VEJO?



Depois de ter visto a cena de um homem pelado querendo pular no rio com a Liz, ela volta para a casa, e no dia seguinte é visitada pelo cara que quase a atropelou, para fazer um tour. Ele conta a história dele, é brasileiro e no meio do texto fala algumas coisas em português. Os dois ficam juntos, ao som de música brasileira(brasil me irritando já), e ela vai falar com a curandeira.



Você tem medo, estou certa? Eu entendo. Você não quer se perder. O amor é assustador e perigoso.

O filme termina com os dois juntos, ela ajudando a curandeira a conseguir a casa, e pronto. Achei o fim sem graça, mas bom para perder um tempo.

FIM DO SPOILER

Nem recomendo, nem des-recomendo o filme. é um filme bom pra quando não se tem mais nada pra fazer, mas também meio chatinho depois que ela sai de Roma. Foi uma das minhas piores reviews, porque eu simplesmente não sei o que pensar com esse filme.

Um comentário:

  1. Poxa, rs, eu obriguei meu irmao a ir comigo - casa da avó sem nada o que fazer e nós amamos.Achei o filme muito tocante e, apesar de Roma ser a melhor parte, quando ela consegue meditar e reflete sobre os sentimentos do marido, é maravilhoso. A história do texano também é ótima, muito trágica e triste.Foi um dos filmes que vi atualmente que me surpreendeu, superando minhas espectativas.Fiz resenha dele aqui > http://mestredasresenhas.wordpress.com/2010/10/18/comer-rezar-amar-filme/
    Pretendo ler o livro. Quem sabe nao gostamos mais do mesmo rs

    ResponderExcluir